Publicidade
Quarta-Feira, 19 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 17º C

Masc recebe exposição de imagens impressas de coleção do Itaú Cultural

Em mais de 100 imagens a mostra revela as diferentes técnicas e temáticas abordadas do século 15 ao 19

Karin Barros
Florianópolis
07/08/2018 às 22H33

O Masc (Museu de Arte de Santa Catarina) abre hoje, às 19h, a mostra “Imagens Impressas: um Percurso Histórico pelas Gravuras”, da coleção Itaú Cultural. A exposição é itinerante e revela as diferentes técnicas e temáticas abordadas do século 15 ao 19, como as gravuras originais Martin Schongauer, Eugène Delacroix, Francisco Goya, Edouard Manet, Honoré-Victorien Daumier e Edvard Munch.

São mais de 100 obras que que vão do século 15 ao século 19 - Divulgação/ND
São mais de 100 obras que que vão do século 15 ao século 19 - Divulgação/ND


Com curadoria de Marcos Moraes, a mostra mapeia quase seis séculos da produção gráfica europeia, com mais de 100 das 452 imagens impressas que compõem este acervo. O curador explica que elas foram adquiridas a mais de dez anos e nunca tinham sido expostas. “Desde 2005 começamos essa ideia, foi feito um levantamento, um estudo do conjunto. Foi possível identificar que ela foi comprada integralmente, mas também que quem estava montando queria montar a história da gravura naquele período”, diz.

“Imagens impressas” foi formada para ter o sentido de percurso histórico, por outro lado, Moraes afirma que a coleção tinha lacunas, e por isso, não seria possível contar a história da gravura europeia sem alguns detalhes importantes. A mostra se trata de um recorte representativo, que permite pensar de maneira didática a linguagem gráfica e em outros caminhos de leitura.

A exposição da coleção foi pensada inicialmente para um espaço pequeno, mas com os diversos convites, ela foi expandindo. “Foi um pouco pensando nisso que fizemos um possível percurso histórico”, diz Moraes, que separa os trabalhos por séculos e uma série de Honoré-Victorien Daumier. “A medida que o visitante percorre, ele consegue ver o que vai sendo acrescentado, mudando nos séculos, existe ainda um especificidade no final explicando as técnicas”, pontua.

"Imagens Impressas” já passou por São Paulo, Santos, Curitiba, Fortaleza, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto, e Brasília. 

Pintores gravuristas

A exposição chega em Florianópolis com a recém adquirida xilogravura, “The girls on the Bridge”, de Edvard Munch, um dos pioneiros no expressionismo alemão. Ela se soma às obras do artista e caricaturista francês Honoré-Victorien Daumier, como Quelle heurese rencontre! – Les Amis (ca.1840), Mais pis que (s.d.), C’est bien parce (s.d.), Um ami est – Les Amis (ca. 1840), J’offrirai à monsieur (s.d.). Dele, há também o original de uma charge publicada no jornal Le Charivari, um dos principais veículos franceses no período, e uma série de trabalhos de artistas mais conhecidos como pintores, como Edouard Manet, Eugène Delacroix, Francisco Goya, Henri de Toulouse-Lautrec e Rembrandt van Rijn.

“Cristo Carregando Cruz”, de Martin Schongauer, a mais antiga da mostra - Iara Venanzi/Itaú Cultural/Divulgação/ND
“Cristo Carregando Cruz”, de Martin Schongauer, a mais antiga da mostra - Iara Venanzi/Itaú Cultural/Divulgação/ND


A gravura mais antiga em exibição na mostra é “Cristo Carregando Cruz”, feita em 1475 por Martin Schongauer, um dos primeiros gravuristas de que se tem notícia. Vale ressaltar ainda as ilustrações realizadas por Gustave Doré, no século XIX, para o livro “A Divina Comédia”, de Dante Alighieri. 

“São diversos tipos de imagens presentes. Tem desde páginas de livros, ilustrações, estudos. Também era importante tentar trazer essa perspectiva. Foi proposto no projeto pensar algumas possibilidades que não pensassem apenas em gravuras, mas imagens gráficas que entenderíamos como gravura, mas que não nasceram com esse objetivo, mas parte de um conjunto”, acrescenta o curador sobre os trabalhos da coleção.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade