Publicidade
Sexta-Feira, 21 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 17º C

Lélia Nunes aproxima Florianópolis e Açores em novo livro

"Corpo de Ilhas" é lançado nesta quarta-feira, no Centro da Capital

Redação
FLORIANOPOLIS
13/06/2018 às 09H43

A escritora Lélia Pereira Nunes lança nesta quarta-feira (13), às 19h, o livro “Corpo de Ilhas” no Emporium Bocaiúva, em Florianópolis. Estudiosa da contribuição cultural da diáspora açoriana na Ilha de Santa Catarina, neste novo livro a escritora navega o Atlântico para aproximar culturas e reafirmar a ligação afetiva da cidade com o arquipélago dos Açores, em crônicas e artigos que trazem múltiplos saberes e análises.

Ao longo dos anos, a professora aposentada da UFSC buscou ser uma ponte transcontinental a encontrar as margens do Atlântico, fazer os caminhos do mar e aproximar evidências. Ela era motivada por um profundo interesse pela origem da cultura de que faz parte e que aportou em Santa Catarina pelas mãos dos povoadores açorianos há 270 anos. Há cerca de 30 anos, a pesquisadora vêm publicando ensaios e crônicas na imprensa, em revistas culturais e em livros coletivos, unindo-se às muitas vozes açorianas. “Corpo de Ilhas”, da editora Dois Por Quatro Editora, de Florianópolis, reúne textos tematicamente próximos, publicados desde 2012, com exceção de dois que
são anteriores. 

Segundo a autora, “Corpo de Ilhas” é um livro que comporta mais de um gênero literário. São textos que abordam realidades distintas, sentimentos e histórias comuns e que têm a pretensão  de contribuir com o debate sobre a “atlanticidade” literária. A obra está dividida em três partes: “Ilha de Santa Catarina”, “Ilhas Açorianas” e “Outras Ilhas”. A primeira  e a segunda parte exploram as pontes que interligam as ilhas, entrecruzando, por exemplo, identidades culturais. A terceira parte reúne textos
dispersos, mas ligados pelas questões geográficas. 

Lélia é natural de Tubarão e cidadã honorária de Florianópolis, onde  reside desde 1970. Escritora, é também socióloga de formação e mestre em administração pública (UFSC). Foi superintendente da Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes, pertenceu ao Conselho Estadual de Cultura e é titular da cadeira 26 da Academia Catarinense de Letras, além de sócia emérita do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade