Publicidade
Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 20º C

Iniciativas em SC colocam novos designers de moda na vitrine do mercado de trabalho

Projetos como SCMC e o Octa Fashion dão visibilidade a criações de jovens que estão saindo das universidades

Juliete Lunkes
Rosane Lima/ND
Bárbara e Gabriela são donas da marca de lingerie Sorellina

 

Muito mais do que possuir a melhor faculdade de moda do país, única com cinco estrelas no Guia do Estudante da editora Abril, e espalhar pelo mundo centenas de profissionais qualificados todos os anos, Santa Catarina aos poucos vem também desenvolvendo iniciativas que servem como vitrine para novos nomes no ramo. Nos próximos meses, a conclusão de duas ações diferentes vão colocar coleções de cerca de 80 novos designers de moda de universidades catarinenses frente a frente com o mercado de trabalho. No dia 13 de novembro, 42 formandos do curso de design de moda da Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina), eleito pelo quarto ano consecutivo o melhor do Brasil, vão desfilar suas criações em Florianópolis na passarela do Octa Fashion (Observatório de Cultura e Tendências Antecipadas), enquanto em dezembro, outros 38 designers de diversas faculdades do Estado mostram suas coleções na exposição do SCMC (Santa Catarina Moda e Cultura), também na Capital.

 Coordenado pela professora do curso de design de moda da Udesc, Balbinette Silveira, o Octa Fashion teve sua primeira edição realizada em 2011 por atitude dos próprios estudantes que não queriam uma formatura comum somente com a presença de familiares. O formato tradicional de desfile de conclusão de curso ganhou o novo conceito no momento em que o nome mudava de estilismo para design de moda, e desde então é o maior evento do gênero no Estado.

Na quarta edição, 42 novos designers de moda vão desfilar suas coleções, desenvolvidas ao longo de um ano, sob orientação de professores. Além deles, uma equipe de outros 50 estudantes de outras fases do curso participam ativamente de produção, divididos em equipes de diferentes departamentos. “Isso é interessante porque nem sempre os alunos acabam trabalhando efetivamente com criação, mas em outras áreas da moda, como a comunicação, por exemplo”, destaca Balbinette.  Segundo ela, que coordena o evento de formatura há 12 anos, a nova proposta foi criada porque os alunos não viam mais aquilo como um simples desfile, e hoje, além da apresentação das coleções no grande dia, que deve receber um público estimado em duas mil pessoas, os formandos participam também da produção de uma revista, um site, um catálogo e um DVD.

 

Mangas arregaçadas

Insatisfeita com a falta de retorno que o desfile de formatura da Udesc dava aos novos designers de moda, Kamila Rosa foi uma das estudantes que arregaçaram as mangas para ajudar organizar a primeira edição do Octa Fashion. Formada em 2011, ela já havia começado a criar as primeiras peças de sua marca de camisas, a Maria Leite, um semestre antes de concluir os estudos. Após a formatura, lançou três coleções e começou a receber pedidos de clientes para que abrisse um ponto fixo. Assim, há seis meses inaugurou sua própria loja multimarcas no bairro Coqueiros, onde, por enquanto, vende suas criações apenas por encomenda. “No momento quero dar mais atenção para a loja, que ainda está muito verde, mas minha paixão é a criação”, diz ela, que em breve pretende encher as araras com camisas Maria Leite.

Os bordados e detalhes delicados que acompanham as peças desenhadas por Kamila, por terem um apelo mais comercial, não fizeram parte da coleção que a designer desfilou para mais de quatro mil espectadores no Octa Fashion, em compensação, na época sua liberdade pôde ser explorada em uma marca de roupas infantis.

Flávio Tin/ND
Kamla Rosa com uma das camisas de sua marca, a Maria Leite

 

Ela conta que meses antes da formatura o plano da universidade era fazer um desfile simples, para a família, no próprio Ceart (Centro de Artes) da Udesc, mas, ao lado de outra colega, se recusou e foi atrás de patrocínio para a criação de um grande evento. O resultado foi uma massiva participação de grandes marcas, de formadores de opinião e de um convidado de honra: Oskar Metsavaht, nome por trás da Osklen. “Nós formamos equipes de produção e criamos o nome do evento, tudo da noite pro dia. Queríamos que as próximas turmas levassem isso adiante. Até o reitor, que nunca ia às formaturas de moda, foi ao Octa”, lembra Kamila. 

 

 Inseridos na rotina industrial

Realizado desde 2005 por iniciativa de um grupo de empresários do ramo têxtil da região do Vale do Itajaí, o SCMC dá todos os anos a oportunidade de pouco mais de 30 estudantes de design de moda e produto de várias universidades catarinenses passarem um ano acompanhando de perto o dia a dia da produção do ramo. Por meio de uma parceria entre empresas – um total 17 na edição de 2014 – e das próprias instituições de ensino, alunos a partir do penúltimo ano da faculdade podem se inscrever em duplas para participar do projeto. Após uma seleção, cada dupla é distribuída para uma empresa diferente, onde passa os meses seguintes participando, junto com a equipe criativa da própria marca, do desenvolvimento de uma coleção com consultoria de Jackson Araujo e Luca Predabon. Ao fim do ano, a coleção é apresentada em uma exposição aberta ao público, que neste ano deve acontecer entre novembro e dezembro.

Segundo Paula Cardoso, gestora executiva do SCMC, a iniciativa tem um papel fundamental na formação dos designers, já que se responsabiliza por uma área que a universidade normalmente não contempla. “A faculdade forma o aluno, mas ali ele acaba participando do dia a dia da empresa. Cada estudante tem seu timing para criar algo, mas depois do SCMC eles passam a entender a realidade industrial”, destaca.

Além da vivência dentro de uma grande empresa, a exposição final das criações acaba atingindo uma série de outros profissionais da área, colocando os estudantes ligados diretamente ao mercado de trabalho. “Com frequência acontece de as próprias empresas acabarem contratando depois os alunos que tiveram essa experiência dentro delas”, afirma Paula.

 

Cabeça aberta

Formada em moda pela Furb (Fundação Universidade Regional de Blumenau), a designer Luiza Ferreira foi uma das participantes do SCMC em 2010, durante seu último ano de faculdade. Após a experiência dentro de uma das empresas parceiras do projeto e um período de estudos em Londres, há dois anos ela retornou a Blumenau, onde começou a pensar no esboço do que mais tarde viria a se tornar sua própria marca de acessórios.

“A participação no SCMC foi ótima porque acabou abrindo um leque maior de possibilidades para mim. Ele me fez ir muito além de roupas, que era só no que eu pensava na época”, conta. Durante o ano que passou na Capital inglesa, Luiza teve a oportunidade de trabalhar ao lado de designers que tinham o couro como matéria prima e aprendeu procedimentos exclusivos com o material. Hoje, só ela e mais duas pessoas no mundo utilizam a técnica que envolve moldar acessórios em couro com as mãos. No Brasil, ela só é encontrada na marca que leva o nome de Luiza.

“É um processo todo artesanal que não tem como ser feito em grande escala, por isso só atendo em meu estúdio com hora marcada e faço peças sob encomenda”, conta a designer, que além de produzir os acessórios sozinha, também realiza toda a compra dos materiais e ainda faz as vezes de modelo em seu catálogo.

  

Expectativas pós-Octa Fashion

Antes mesmo de concluir a faculdade de moda, as primas Bárbara Leite e Gabriela Martins decidiram durante um intercâmbio na Itália que queriam criar uma marca juntas, mas não sabiam de que. Como Bárbara já havia feito um curso de lingerie e já costurava e vendia peças para amigas, a decisão acabou sendo por levar adiante a ideia, dessa vez, com novas referências, produção terceirizada e muito mais profissionalismo. Assim, há um ano e meio nasceu a primeira coleção da Sorellina, marca idealizada pela dupla repleta de referências vintage e materiais nobres.

Enquanto Gabriela concluiu há cerca de dois anos o curso de design de moda na Unisul (Universidade do Sul de Santa Catarina), Bárbara se prepara para no dia 13 de novembro mostrar sua coleção de conclusão de curso no Octa Fashion. Por baixo das peças desenhadas por ela, lingeries da Sorellina também estarão presentes.

“Tenho esperança de realmente conseguir mostrar a marca para mais gente lá, é legal relacioná-la a um evento de moda desse porte. E além de estar junto com a coleção que criei para o desfile, a Sorellina vai aparecer no catálogo como apoiadora”, conta Bárbara. “O Octa Fashion é um evento que acontece por empenho dos próprios alunos e que gera muito retorno. Eu senti um pouco de falta disso no meu curso, que promovia desfiles todo o fim de semestre, mas para um público mais familiar”, avalia Gabriela.

A expectativa para após a formatura de Bárbara, com um empurrãozinho do Octa Fashion, é que elas lancem a quarta coleção da Sorellina, abram um ateliê e consigam com que mais lojas vendam as peças. Atualmente, além das vendas pela internet, duas lojas comercializam Sorellina, uma em Florianópolis e outra em Porto Alegre.  Para o segundo semestre de 2015, a meta é também que ela já comece a dar retorno financeiro real. “A Sorellina se mantém, mas ainda não paga nossos salários. Tudo o que ganhamos investimos nela, em um bom site, em melhores etiquetas”, afirma Bárbara. 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade