Publicidade
Terça-Feira, 25 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 18º C

Graphic Novel do ilustrador Felipe Parucci será lançada com ajuda de financiamento coletivo

Projeto de “Apocalipse, Por Favor” já atingiu mais da metade da meta estipulada na plataforma Catarse e se alcançar todo o valor, o livro deverá deverá chegar ao público no primeiro semestre de 2015

Juliete Lunkes
Florianópolis
Divulgação/ND
Personagens da história vivem os males do mundo moderno

 

Dilemas do mundo moderno como a fobia social, a ansiedade e a depressão, em um mundo aparentemente prestes a ruir, norteiam a vida dos personagens centrais de “Apocalipse, Por Favor”, graphic novel que o ilustrador Felipe Parucci pretende lançar no primeiro semestre de 2015, depois que garantir a verba estabelecida na plataforma de financiamento coletivo Catarse para sua finalização. Em processo de produção há cinco anos, o livro, que terá aproximadamente 250 páginas, já atingiu mais de 50% do valor necessário em seu 20° dia de projeto aberto, com colaborações que vão de R$10 a R$250 e recompensas que incluem, além do próprio livro, postais, quadros de tinta acrílica sobre tela, toy arts e caricaturas, tudo feito por Felipe.

“Optei pelo financiamento coletivo porque as editoras normalmente só aceitam o livro para publicação quando ele já está pronto, e como tenho outros trabalhos para fazer, não conseguiria finalizá-lo. Mas não esperava atingir mais da metade do valor em tão pouco tempo, ainda tenho 40 dias para conseguir o restante e no início estava morrendo de medo. Acho que o sucesso da campanha tem a ver com as recompensas, que são boas por um valor baixo”, explica o autor, que é carioca, cresceu em São Paulo e vive há 15 anos em Florianópolis.

Para ter mais tempo de desenhar e escrever tudo sozinho, há dois anos Felipe deixou seu emprego fixo e passou a trabalhar somente em projetos de ilustração freelancer, e assim que o financiamento coletivo arrecadar o valor estipulado, a ideia é se dedicar integralmente ao livro e à produção das recompensas de quem colaborou pra que ele se tornasse realidade. “Me dedicar a isso é um sonho de carreira, apesar de a vida de quadrinista não ser muito promissora aqui no Brasil. Mesmo com os trabalhos freelancer percebi que precisaria de mais tempo e dedicação, então o financiamento é o que vai me manter nesse período”, justifica.

Males modernos

Discussões sobre relacionamento, sexo, trabalho, religião e nossa própria existência giram em torno do protagonista de “Apocalipse, Por Favor”, Arthur Miró, um homem esquizofrênico que se vê como um lobo solitário e possui uma fobia social tão grande a ponto de fazê-lo enxergar todas as suas relações pessoais mais empolgantes como um apocalipse. Em sua cabeça, o mundo está sempre prestes a acabar.

Seu anseio por uma vida e um relacionamento normais o levam a conhecer Anabela, uma mulher igualmente deprimida e antissocial que vive em um relacionamento conturbado. A doença social dos personagens os leva a desejar que o mundo realmente acabe de uma vez por todas.

“O argumento central veio de uma situação bem mundana, depois de um fora de uma namorada que me fez querer que o mundo todo explodisse. Aos poucos fui percebendo que ao meu redor esses sentimentos assombravam todo mundo e comecei a achar interessante, vi que dava para trabalhar bem esse tema. Fui conversar com uma amiga psicóloga para não escrever besteira, mas claro que há uma licença poética”, conta o autor.

Para a história não se tornar cansativa aos olhos e para combinar melhor com o clima tenso em que vivem os personagens, Felipe explica que optou por manter todos os quadrinhos em preto e branco.

 

Saiba mais: www.catarse.me/pt/apocalipseporfavor

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade