Publicidade
Segunda-Feira, 24 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 19º C

Fundação Cultural Badesc tem orçamento confirmado para 2013, mas ainda pode ser transferida à FCC

Diretoria do banco aprovou o repasse de recursos para manter a instituição, mas ainda estuda a possibilidade de sair de sua administração

Carolina Moura
Florianópolis

Divulgação
Fundação foi premiada pela Academia Catarinense de Letras como Destaque Cultural de 2012, na semana passada

Com orçamento aprovado para 2013, tudo indica que a Fundação Cultural Badesc (Agência de Fomento do Estado de Santa Catarina S.A.) continuará funcionando sob a administração atual. Desde o início do semestre circulavam informações sobre uma negociação do banco com a FCC (Fundação Catarinense de Cultura) para que esta absorvesse a instituição como um de seus braços. A comunidade artística da cidade manifestou-se contra a mudança, alegando que a Fundação Badesc realiza um trabalho de qualidade, fato atestado pelo prêmio de Destaque Cultural conferido pela Academia Catarinense de Letras na semana passada.

O processo para transferir a fundação passa por mudança de legislação e pelo Ministério Público, o que segundo o diretor da fundação, Armando Sabino, não foi iniciado.  “Isso depende de grande estudo e de lei, não é simplesmente absorver”, diz ele. Embora isso não garanta que o processo não será levado a cabo posteriormente, Sabino acredita que a aprovação do orçamento para 2013 é um bom sinal. “É um sinalizador de que a fundação vai continuar. Ela foi premiada este ano, acredito que isso tudo vai interferir para a diretoria do Badesc olhar com outros olhos”, diz ele. Além do repasse pela Lei Rouanet, que corresponde a 6% do seu imposto de renda, o banco também investe diretamente na fundação.

Segundo o presidente do Badesc, Nelson Santiago, a transferência ainda está sendo estudada, e faz parte de um plano pra alinhar as políticas de cultura do governo do Estado. “É uma hipótese, mas cada dia mais está se aproximando de uma realidade”, diz Joceli de Souza, presidente da FCC, sobre a incorporação. “A Fundação Badesc hoje nada mais é que aquele espaço ali. Claro que a atividade que desenvolvem é produtiva, atende ao meio em que está inserido. Mas o que nós queremos, se acontecer a absorção, é ampliar isso”, afirma. Segundo ele, o fato de a Fundação Badesc estar fazendo um bom trabalho não impede que isso seja melhorado com o orçamento da FCC , que segundo ele é “muito substancioso”.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade