Publicidade
Quarta-Feira, 14 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 30º C
  • 22º C

Festival Internacional de Teatro de Animação começa domingo em Florianópolis e outras sete cidades

Sétima edição do Fita terá espetáculos de grupos da Espanha, Chile, Peru e Argentina

Carol Macário
Florianópolis
Divulgação/ND
Espetáculo "Deliírios de Papel" abre o Fita 2013

Das tantas formas de fazer teatro, a de animação é uma das que mais abre as portas para outros mundos. Dá possibilidades de viver o irreal e impossível: boneco voa – e pode ter quantas cabeças forem possíveis –, as sombras podem ser gigantes (mesmo que na prática não passem de miniaturas), mãos com luvas viram gente, papel vira um rei e uma rainha. Até o lixo vira arte animada. Na sétima edição do Fita (Festival Internacional de Teatro de Animação), que começa no domingo em Florianópolis e segue até o dia 29 em diferentes pontos da Capital e outras sete cidades do Estado, não faltarão prosopopeias e onomatopeias de tudo que poderia ser inanimado mas não é, graças à imaginação.

 “Teatro de animação trabalha com objetos, com sombra, máscara, bonecos, imagem”, explica Sassá Moretti, 55, uma das coordenadoras do Fita, que este ano terá a apresentação de 13 grupos de teatro do Brasil e de países como Argentina, Chile, Espanha e Peru. Em 2013 o festival está menor e conta com voluntários na organização, devido ao repasse reduzido pela metade de verbas, segundo a coordenação, mas se mantém em qualidade de espetáculos e ainda vai percorrer os municípios de São José, Itajaí, Biguaçu, Palhoça, Governador Celso Ramos, Tijucas, Laguna e Criciúma.

O espetáculo de abertura, “Delírios de Papel”, da Cia. La Llave Maestra – que é metade chilena e metade espanhola – mostra o tom contemporâneo do festival. Dirigido por Alvaro Morales, o espetáculo apresenta múltiplas possibilidades expressivas do papel que dão vida a diferentes e pequenas histórias cômicas, poéticas e sugestivas. “Gosto muito da linguagem contemporânea – os bonequeiros tradicionais não gostam muito. A peça de domingo foge da manipulação tradicional e a iluminação também é muito particular”, afirma Sassá, sobre a curadoria do evento.

O Fita ajudou a desenvolver o teatro de animação em Florianópolis

Desde a primeira edição do Fita o teatro de animação passou por transformações em Florianópolis. “A partir do festival foram concebidos muitos espetáculos, os grupos começaram a organizar uma peça aqui, outra ali, com boneco, com sombras”, comenta Sassá Moretti.

As duas universidades públicas do Estado, a Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina) e a UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), que têm cursos de graduação em artes cênicas, também ampliaram o número de disciplinas de teatro de animação em suas grades curriculares.

“O Fita é um dos grandes eventos da cidade. Festivais como esse ajudam e incentivam os grupos e principalmente conquistam o público”, diz Raquel Fernandes, diretora, produtora e manipuladora de bonecos do espetáculo “A pequena vendedora de fósforos”, do Artesania Teatro. O grupo foi formado no ano passado e esta é a sua primeira peça.

Marco Santiago /ND
Os atores Ricardo Goulart,Gustavo Bieberbach,Aline Maciel, Igor Gomes e Ronaldo Duarte,da peça "Paper Macbeth"

Mundo de possibilidades

“Manipular bonecos é mais trabalhoso do que a atuação do ator, ele mesmo, no palco”, diz Sassá Moretti. Isso porque com a cara limpa é mais fácil expressar com o corpo, os gestos e o rosto as sensações e emoções do personagem. “Quando se manipula objetos é necessária muita precisão. Uma das regras inclusive é olhar fixamente para o objeto manipulado”, diz ela. “O bonequeiro precisa se ausentar da emoção, para que o corpo não tenha nenhuma expressão e sim o boneco.”

No espetáculo “Paper Macbeth”, por exemplo, texto de William Shakespeare (1564 – 1616) montado pelo Fazendo Fita Cia. Artística, de Florianópolis, os cinco atores mantêm onstantemente a tensão dos personagens da tragédia do general escocês. “É difícil fazer drama com bonecos. É um drama shakespeariano feito dentro da ludicidade do teatro de animação”, afirma Aline Maciel, atriz que manipula Lady Macbeth. O tom trágico é obtido graças à impostação da voz e dos movimentos das mãos dos atores.

Para a diretora e produtora Raquel Fernandes, “o teatro de animação possibilita vários mundos diferentes.” Como no espetáculo “A pequena vendedora de fósforos”, do Grupo Artesania, em que uma menina pobre é obrigada a vender fósforos – o mesmo que mendigar – no dia mais frio do ano na Dinamarca. Sem êxito nas vendas, ela teme a volta para casa, porque a rua é mais segura que a ira do pai. Ela então acende os fósforos e tem visões do que ela gostaria de ter e viver – um lar, como a das famílias que ela vê somente da janela. “O teatro de animação abre sonhos. O boneco pode voar, ele vai além do real”, diz Raquel.

O texto do dinamarquês Hans Christian Andersen (1805 – 1875), apesar ter sido escrito para crianças há quase dois séculos, é pesado e continua atual: miséria, fome, violência doméstica.  “E trata também da morte, que são alguns tabus quando se fala em teatro de animação. Para isso, a gente trabalha muito com símbolo, com o sensível.”

Saiba mais:

Paralelamente ao festival ocorrem atividades formativas, como oficina de teatro visual e manipulação de objetos, reaproveitamento de materiais com teatro de sombras destinadas, além de mesas de conversas para profissionais da área e para o público.

Serviço

O quê: 7º Festival Internacional de Teatro de Animação
Quando: 23 a 29 de junho
Onde: Florianópolis, São José, Itajaí, Biguaçu, Palhoça, Governador Celso Ramos,
Tijucas, Laguna, Criciúma
 Quanto: R$10 / R$ 5 (meia)

Mais informações: http://www.fitafloripa.com.br/

Programação

Domingo, 23/6

20h – “Delírios de Papel”, Cia La Llave Maestra (Chile/Espanha), no Teatro do Centro de Cultura e Eventos da UFSC, Campus Trindade, Florianópolis, tel. 3721-9559

Segunda, 24/6

10h e 15h – “Alevanta Boi”, Etc e Tal Cia de Teatro (Itajaí/ SC), no Teatro da UFSC, rua Vitor Lima, 117 (em frente a praça Santos Dumont), Trindade, Florianópolis, tel. 3721-9348

20h – “Otelo”, Cia. Viajeinmóvil (Chile), no Teatro Álvaro de Carvalho, rua Marechal Guilherme, 26, Centro, Florianópolis, tel. 3028-8070 / 3028-8071

20h – “Delírios de Papel”, Cia. La Llave Maestra (Chile/Espanha), Centro de Cultura eEventos da UFSC

Terça, 25/6

10h – “O trenzinho Villa-Lobos”, Cia. Articularte (São Paulo/SP), no Teatro da UFSC

15h - “Alevanta boi”, Etc e tal Cia de Teatro (Itajaí/SC), no Ginásio de Esportes de Neri Luz de Azevedo, Calheiros, Governador Celso Ramos

15h - “A pequena Vendedora de Fósforos”, Artesania Teatro (Florianópolis – SC), na Casa de Cultura de São José, rua Gaspar Neves, 3.175, Centro Histórico, São José, tel. 247-9096

15h - “A Cortina da Babá”, Grupo Sobrevento (São Paulo/ SP), Centro de Cultura e Eventos da UFSC

Quarta, 26/6

10h e 15h – “O trenzinho Villa-Lobos”, Cia. Articularte (São Paulo/SP), no Teatro Álvaro de Carvalho

10h – “A Cortina da Babá”, Grupo Sobrevento (São Paulo/ SP), no Centro de Cultura e Eventos da UFSC

12h30 – “Ramón, El Dormilón”, Cia. Concolorcorvo (Peru), Concha Acústica da UFSC, Campus Trindade, Florianópolis, tel. 3721-9348/3721-9447

15h - “Alevanta boi”, Etc eTal Cia de Teatro (Itajaí/SC), praça 7 de Setembro, Centro, Palhoça

15h - “MIRA! Extraordinárias diferenças, sutis igualdades”, Grupo de Pernas pro Ar (Canoas/RS), Casa de Cultura Dide Brandão, rua Carlos Hugo Praun, 128, Centro, Itajaí

15h – “O flautista de Hamelin”, TRIP Teatro de Animação (Rio do Sul/SC), no Teatro da UFSC

Quinta, 27/6

10h e 15h - “Ramón, El Dormilón”, Cia. Concolorcorvo (Peru), no Teatro da UFSC
15h e 20h - “Frankenstein: Medo de Quem?”, Dionisos Teatro (Joinville/SC), Teatro Álvaro de Carvalho

15h - “MIRA! Extraordinárias diferenças, sutis igualdades”, Grupo de Pernas pro Ar (Canoas/RS), na praça Nereu Ramos, Centro, Biguaçu

15h - “A pequena Vendedora de Fósforos”, Artesania Teatro (Florianópolis/SC), no Sesc, Rua João Policarpo Pacheco, 250, Praça, Tijucas

Sexta, 28/6

10h e 15h - “Diário Malassombrado”, Cia. Mevitevendo (São Paulo/ SP), no Teatro da UFSC

15h – “MIRA! Extraordinárias diferenças, sutis igualdades”, Grupo de Pernas pro Ar (Canoas/RS), na praça República Juliana, Centro, Laguna

20h - “Paper Macbeth”, Fazendo Fita Cia. Artística (Florianópolis/SC), no Teatro Álvaro de Carvalho

Sábado, 29/6

12h – “MIRA! Extraordinárias diferenças, sutis igualdades”, Grupo de Pernas pro Ar (Canoas – RS), praça Nereu Ramos, Centro, Criciúma

15h e 18h - “Esses Olhos tão Grandes”, Cia. Mevitevendo (São Paulo/ SP), no Teatro Álvaro de Carvalho

15h – “A pequena Vendedora de Fósforos”, Artesania Teatro (Florianópolis/ SC), no Teatro da UFSC

20h - “Viejos”, Sérgio Mercúrio (Argentina), no teatro Ademir Rosa, do CIC. av. Irineu Bornhausen, 5600, Agronômica, Florianópolis, tel. 3953-2351

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade