Publicidade
Sexta-Feira, 27 de Abril de 2018
Descrição do tempo
  • 29º C
  • 19º C

Feiras de arte movimentam o cenário cultural e econômico de Florianópolis

Todos os sábados o Teatro da Armação, no Centro da Capital, recebe artistas que, além de apresentarem seu trabalho, têm a chance de comercializá-lo

Marciano Diogo
Florianópolis

Habituais em cidades cosmopolitas como São Paulo, Nova York, Paris e Berlim, as feiras de arte são exemplos reais da economia da cultura. E Florianópolis caminha para se incluir neste modelo de mercado de arte, com eventos periódicos que estão na programação e calendário de visitantes e moradores da Capital. São feiras de arte como as que têm ocorrido no espaço cultural O Sítio Coworking, na Lagoa da Conceição, a Entremostras, na Fundação Badesc, a feira itinerante Duna, e a mais recente, a FAF (Feira de Arte de Florianópolis).

Rosane Lima/ND
A FAF acontece todos os sábados, no Centro Histórico de Florianópolis


Esta última, que acontece todos os sábados no Centro Histórico de Florianópolis, abriu espaço para novos artistas exibirem sua produção. Nela são comercializadas diferentes obras de arte, entre pinturas, gravuras, desenhos e fotografias. “Observei que a cidade tinha muitos espaços para exposições e poucos para comercialização de obras de arte, e diante desta necessidade resolvi montar a feira”, explica Fifo Lima, jornalista e produtor da FAF, que irá para a sua quarta edição no próximo fim de semana.

Entre os artistas que atualmente expõem seus trabalhos na feira estão Adriana Maria dos Santos, Anita Damas, Anna O’Sfair, Bruno Bachmann, Cassius Clay, Eliane Prudêncio, Bruno Barbi, Elaine Maritsa, Kelly Kreis Taglieber, Milton Cazelatto, Pati Peccin, Vinícius Flores, João Carlos Lobão, Márcio Martins, Joaquim Araujo, entre outros.

A gravurista Pati Peccin vende com mais frequência seus trabalhos graças ao evento: “funciona como uma galeria itinerante e o mais bacana é a criação desse espaço de troca, as pessoas não precisam necessariamente comprar minhas gravuras, mas através da feira já conhecem meu trabalho”, conta a artista plástica. São pessoas como a arquiteta Cíntia Chamas, que comprou uma gravura na feira que ocorreu na última semana. “Apesar de prestar atenção mais na arte que nos preços, observo que os valores das obras são bem honestos”, afirma a visitante. Os valores das obras de arte comercializadas na FAF, que tem recebido a média de 150 visitantes por edição, vão de R$ 20 a R$ 600.

Outro diferencial desse modelo de feiras é que muitas vezes o artista está presente no local para negociação do valor das obras. “Iniciei a Duna com a intenção de atender uma demanda não só de comercialização, mas de incentivo aos artistas plásticos que pudessem produzir suas obras, mantendo constantes suas apresentações e custeando suas produções. Isso é importante para a formação de público de colecionadores, que potencializam o mercado da arte”, comenta Fernando Weber, artista visual e produtor da Feira de Artes Duna, que ainda neste ano deverá ter uma nova edição trazendo artistas de todo o Estado. Para ele, as feiras não têm como único fim a venda, mas também trazem a possibilidade da reflexão do processo artístico.

Feiras movimentam a economia 
Para a galerista Myrine Vlavianos, as feiras de arte que têm acontecido em Florianópolis são importantes para fomentar a economia da cultura local. “Elas concentram obras de artistas que são, na sua maioria, jovens ainda sem espaço no mercado da arte. Elas têm recebido a visita de um público ávido por conhecer e adquirir trabalhos que estão sendo produzidos na cidade, estimulando a formação de novos colecionadores. Também são eventos excelentes para garimpar artistas com potencial para atuarem em um mercado da arte ainda mais abrangente”, opina Vlavianos.

A curadora do espaço cultural O Sítio Coworking, Kamilla Nunes, vê com bons olhos as feiras e o mercado cultural criativo da cidade. O espaço tem promovido feiras de arte mensais, sendo a última delas, a Feira Foto Arte, que teve o público médio de 300 pessoas. “Não apenas para o circuito de arte, como também contribuem para formação de um mercado, ainda muito incipiente na cidade. Apresentam também conteúdos criativos e de valor econômico baseado tanto na formação de público como de novos colecionadores”, conclui a curadora Kamilla Nunes.

O quê: FAF – Feira de Artes de Florianópolis
Quando: Todos os sábados, das 9h às 16h
Onde:
Casa do Teatro da Armação, praça 15 de novembro, 344, Centro, Florianópolis, tel. 32238165 / 91460251
Quanto:
Gratuito

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade