Publicidade
Terça-Feira, 18 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 16º C

Exposição com objetos pessoais e obras de Zininho é inaugurada nesta quarta na Capital

Com curadoria da filha do músico, a mostra também reúne trabalhos de artistas plásticos que homenagearam Cláudio Alvim Barbosa

Redação ND
Florianópolis
14/08/2018 às 18H42

Nascido em 8 de maio de 1929, Cláudio Alvim Barbosa cresceu no Largo 13 de Maio, lugar que ficou eternizado em uma das quase 100 canções que Zininho compôs em seus 69 anos de amor à Ilha. Arquivista compulsivo, o poeta registrou grande parte de sua história e reuniu o maior e mais importante acervo existente contendo a memória cultural, social e política de Florianópolis. Este acervo inigualável e as obras que o eternizaram são a base de uma nova exposição na Galeria do Mercado Publico de Florianópolis, que será aberta nesta quarta-feira (15).

Exposição que homenageia Zininho será aberta no Mercado Público nesta quarta-feira - Divulgação/ND
Exposição que homenageia Zininho será aberta no Mercado Público nesta quarta-feira - Divulgação/ND


Com curadoria da filha de Zininho, Claudia Barbosa, a exposição conta com uma coletânea de obras que têm Zininho como personagem. A iniciativa reúne nomes como Plinio Verani, Alan do Berbigão, Picolé, Renato Franzoni, Frank Maia, entre outros artistas plásticos. Inclui também trabalhos de fotógrafos, poetas, escritores, músicos e artistas da cidade que homenagearam o compositor em suas criações.

A mostra conta ainda com um acervo de objetos pessoais e de trabalho de Zininho, expostos em ambientações que representem a época, detalhes, rituais e curiosidades da vida do compositor. Há também um acervo audiovisual, radiofônico, musical e iconográfico disponível ao público em instalações.

Este ano, Zininho completaria 90 anos de idade. São 20 anos desde a oficialização do Rancho do Amor à Ilha como Hino de Florianópolis. "Será uma grande homenagem ao artista, poeta e compositor que além de ser autor do hino da cidade também contribuiu para o Acervo Fonográfico de Florianópolis", afirma a superintendente da Fundação Franklin Cascaes, Roseli Pereira.

A exposição ficará aberta para o público até 22 de setembro, das 13 às 19h.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade