Publicidade
Quarta-Feira, 14 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 30º C
  • 22º C

Estilista e designer Maurício Magagnin de Florianópolis é um dos raros talentos da moda

Ele fez sua priemeira peça de roupa aos seis anos de idade. Hoje, aos 20, tem seu talento reconhecido no universo fashion

Carol Macário
Florianópolis

 

Edu Cavalcanti
Aos 20 anos, Maurício Magagnin é cheio de personalidade e tem carreira consolidada no mundo da moda

 

Nada de muito ousado, nada de muito clássico: ele esperava pela reportagem do Notícias do Dia sentado no banco da praça, vestindo calça jeans com a barra dobrada até a canela, camisa de smoking extra grande do pai, três colares de patuás – um deles com a imagem de São Francisco mas que ele preferia que fosse Santo Antonio, o santo casamenteiro -, calçava um mocassim retrô bege e, no cabelo, um grampinho prendia o topete. A primeira vista parecia um menino mais ou menos extravagante. Mas deixe o designer de moda Maurício Magagnin, 20, abrir a boca e você se depara com um gigante, um velho sábio do mundo da moda e da arte, alguém vivido e cheio de frases de efeito e opiniões formadas.

Mauricio é o estilista das tradicionais lojas de tecidos Kotzias, no Centro e Shopping Beiramar, em Florianópolis, e a felicidade garantida das amigas – que sempre recorrem a ele para uma solução de moda. Ele ficou conhecido no último ano pelos figurinos que fazia para a cover da cantora norte-americana Lady Gaga, uma brincadeira que começou com a amiga Fernanda Alemida, 20, e que acabou virando a sensação da noite da Capital.

Entre musselines de seda, chantum, gazoir e outros tecidos finos, Mauricio lembra da  sua primeira criação de moda, aos seis anos de idade. “Uma saia reta que fiz quando minha mãe saiu para fazer um curso de corte e costura”, conta. Natural de Araranguá, sua família foi dona por mais de 28 anos de uma loja de tecidos, talvez a origem da vocação para a moda. Na escola, era o melhor amigo das meninas e o assessor oficial na escolha das roupas. Aos 17 fez seu primeiro desfile. “Em três dias tive que costurar minhas peças a mão. Chamei uma amiga para tirar as medidas e foi um sucesso”, lembra.

Há pouco mais de dois anos chegou a Florianópolis por conta de um anúncio no jornal que procurava estilistas para a loja Kotzias. “Cheguei sendo um ninguém, mais um a tentar a sorte na Capital”, diz.

Nada de preconceito

Ainda que a geração atual sofra menos com as pressões sociais, muitos jovens ainda enfrentam certos preconceitos familiares no que diz respeito à escolha da profissão. Quando Mauricio decidiu seguir a carreira de designer e estilista, precisou ter paciência com os pais para mostrar o talento e provar que pode sim ser feliz e bem sucedido atuando no mundo da moda. “Na verdade era muito mais uma preocupação sobre meu futuro do que preconceito.”

 

Edu Cavalcanti
Talento precoce - Aos seis anos mauricio fez sua primeira peça

 

Melhor faculdade é a vida

Mauricio Magagnin é autodidata. O paraíso, para ele, seria estar cercado de livros e tecidos e afirma que faculdade nenhuma pode ensinar a experiência do dia-a-dia, de conhecer bem o consumidor e entender exatamente o que cada um quer. “Tem que saber lidar com as gordinhas, magrinhas, ricas ou pobres”, diz. E vai além: “Certos cursos podem bloquear o processo criativo de um artista e transformá-lo em uma máquina comercial. Cursos universitários são ótimos, mas se você não tiver personalidade pode perder a essência criativa.”

Artista e antropólogo

Design de roupas é só uma das facetas de Mauricio. Deixe-o com papéis e lápis coloridos e em minutos a folha branca transforma-se em arte pop e contemporânea. A fase atual parece ser um gosto por redesenhar heroínas. Maurício também discoteca. Ele realiza um projeto paralelo como DJ nas casas noturnas Jivago e Blues Velvet, no Centro de Florianópolis, e diz que a música nada mais é do que moda. “Estar incorporado a um ritmo também é moda e tocar na noite é um grande laboratório de pesquisa”, diz ele, que aproveita as baladas para analisar o modo como as pessoas se vestem e como se comportam. “Acho que sou meio antropólogo”, conclui.

 

Moda – “Vejo a moda como uma moldura, expressão daquilo que você realmente é.”

Tendência para o Inverno 2011 – “A volta da Alfaiataria. Para o Inverno teremos muito preto, bege  com um quê de romântico.”

Estar bem vestido é... – “É olhar uma foto sua de 20 anos atrás e não se achar ridículo. Acima de tudo, sentir-se bem.”

Estar bem vestido é... 2 – “Não ser extravagante, optar sempre pelo clássico e não apelar para o corpo.”

 

 

Edu Cavalcanti
"O melhor amigo das mulheres"

 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade