Publicidade
Domingo, 21 de Outubro de 2018
Descrição do tempo
  • 21º C
  • 16º C

Empresário João Neto, à frente hoje de 14 empresas, é um realizador de sonhos

Do sonho de andar de skate na Europa ele chegou ao comando de um dos maiores grupos de promoção de crédito do Brasil

Janine Alves, especial para a revista Inspira
Florianópolis
22/01/2018 às 20H06

João Neto, 34 anos, é sócio- proprietário do Grupo Fontes que, além de uma das maiores promotoras de crédito do país, reúne negócios como empresas de tecnologia e sistemas, departamento jurídico, corretora de seguros e no ramo de alimentos saudáveis a rede de franquia Saladices. Atualmente são 14 empresas (em 16 Estados mais o Distrito Federal), mais de 400 funcionários, 10 mil parceiros. Em 10 anos o Grupo cresceu 141.605%..No seu ramo principal, correspondente bancário, a holding possui a maior empresa do país, a Fontes Promotora de Crédito. Uma trajetória que mostra que não é só de sucesso que vive um grande empreendedor.

João Neto está à frente de 14 empresas, entre elas a Fontes Promotora de Crédito. Sua história é cheia de reviravoltas - Daniel Queiroz/ND
João Neto está à frente de 14 empresas, entre elas a Fontes Promotora de Crédito. Sua história é cheia de reviravoltas - Daniel Queiroz/ND



João Neto aos 18 anos viajou para Portugal com 500 euros no bolso e o sonho de andar de skate pela Europa, mas logo viu o dinheiro terminar. Para continuar a aventura precisou arregaçar as mangas. Começou como vendedor de porta em porta em uma empresa que prestava serviços para a Portugal Telecom. “Depois de 15 dias eles fizeram um evento mensal de premiação aos vendedores. O cara que mais vendeu ganhou dois mil euros. Outro ganhou uma televisão...e a partir daquele dia a minha vida mudou. O horário de trabalhar era das 2h as 10h da noite. Eu trabalhava das 8h às 10 da noite. Todo dia, de segunda a segunda. Eles trabalhavam só de segunda a sexta. Daí no outro mês quanto teve a premiação e eu ganhei, todo mundo ficou surpreso.”

  

“Imagina eu com 18 anos e eles todos lá, pouco tempo de empresa, brasileiro. Eu vendi três vezes mais do que o segundo colocado. A partir daí as portas começaram a se abrir.”

 

Carreira relâmpago

“Com os resultados, todo mundo quis saber o que fiz para chegar lá. E acabei tendo a oportunidade de passar para chefe de equipe de vendedores Depois passei a coordenar outras equipes e para gerente geral. Fui crescendo e a empresa virou destaque a nível nacional na época. Recebi uma proposta para ir para a concorrência e lá eu tinha várias equipes. Também fiz um supertrabalho, a gente aumentou muito as vendas da empresa. Depois de uns seis meses surgiu a oportunidade de eu montar a minha própria empresa em parceria com a Portugal Telecom. Eles cederam a estrutura de uma empresa que tinha falido e eu tive que montar a equipe.”

 

volta ao Brasil

A história em Portugal teve um desfecho inesperado: a empresa aberta por João Neto começou a ruir e em pouco tempo foi decretada a falência. O coração bateu mais forte e a volta para casa foi inevitável. Aos 20 anos, o jovem empreendedor mais uma vez arregaça as mangas.“Tudo que eu aprendi em dois anos em Portugal eu iria demorar para aprender no Brasil, isso se eu aprendesse. Eu queria ter uma empresa ou uma caminhada parecida, implantando tudo que eu fazia lá e que aqui ainda não existia. Mas por aqui era diferente. Eu trabalhei na GVT, mas não deu certo. Eu abri uma empresa chamada Aliança Eventos com dois amigos. Virei empresário de banda de pagode. Mas ninguém tinha dinheiro, era viver de fortes emoções.”

retomada...

“Assim eu fui vivendo durante dois anos. Foi quando o Artur, que é meu sócio hoje na Fontes, me chamou para fazer o evento de final de ano da empresa dele. Ele já trabalhava com consignado. Eu me interessei muito pelo produto, não precisava ter estoque, eu só precisava de um cantinho. Eu não tinha dinheiro para investir em nada, então tinha que ter um produto que se eu trabalhasse bastante eu teria oportunidade de ganhar dinheiro”.  E aí voltamos ao início da história: um empresário de sucesso que hoje administra 14 empresas e faz dos melhores parceiros “sócios para novos negócios”. Ao invés de terceirizar, incorpora novas atividades e produtos ao seu portfólio. E na essência guarda os mesmos sonhos do João Neto skatista.

 

realizador de sonhos...

Emocionado, João Neto contou que dentre os seus programas de recompensa aos funcionários foi implatado os “10 sonhos”, mas que pela sua incansável natureza do empreendedor se transformou em “20 sonhos”. 

 

Em 2018

Manter a credibilidade, crescer, desenvolver novos produtos, mas se manter firme e forte no mercado de promoção de crédito agora também como sócio do banco CBSS, um banco que é metade do Banco do Brasil e metade do Bradesco.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade