Publicidade
Quinta-Feira, 22 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 19º C

Em passagem por Florianópolis, chef paranaense Manu Buffara ressalta a gastronomia como arte

Chef foi recém eleita a melhor do ano no Prêmio Melhores do Ano Prazeres da Mesa/Cacau Show

Marciano Diogo
Florianópolis
Natan Quint/Divulgação/ND
Chef Manu Buffara está à frente do restaurante Manu, localizado em Curitiba

 

Se a experiência sensorial for um dos aspectos da arte, os pratos gastronômicos da chef paranaense Manu Buffara, 29 anos, são verdadeiras obras-primas. Em passagem por Florianópolis no último fim de semana, Manoella Buffara, ou somente Manu, como prefere ser chamada, deu uma verdadeira aula-show na cozinha do Costão do Santinho Resort, no Norte da Ilha. “Eu trato a gastronomia como arte. Busco transformar as refeições em experiências exclusivas repletas de sensações. Crio pratos como se fossem quadros ou esculturas”, sintetiza Manu.

Ela descobriu a paixão pela cozinha em um intercâmbio que fez nos Estados Unidos, aos 16 anos, e desde então, não largou mais o avental. “Em Seattle trabalhei no restaurante de um hotel e no Alasca trabalhei em barco de pesca”, conta a chef que é natural de Maringá, no Paraná, e que chegou a cursar um semestre de jornalismo antes de optar pela gastronomia. De volta ao Brasil com 20 anos de idade, Manu se formou em hotelaria e gastronomia pelo Centro Europeu, em Curitiba, e partiu mundo afora para se especializar – trabalhou em restaurantes europeus consagrados pelo mais respeitado guia gastronômico do mundo, o Michelin: os italianos Vittorio e Guido, além do dinamarquês Noma, do reconhecido chef René Redzepi. Na Itália, a chef se formou pelo ICIF, a Escola Internacional de Cozinha Italiana, em Costiglioli D’Asti.

Na volta ao Brasil, foi chef da rede hoteleira Deville durante três anos e ficou à frente do menu oferecido em restaurantes de pelo menos 15 hotéis. Em 2011, abriu seu próprio lugar, o Manu, em Curitiba, que junta ingredientes regionais com alta gastronomia. “Eu não acredito nessa separação entre alta e baixa gastronomia. O que define um prato é a qualidade dos alimentos e a técnica de cozimento utilizada”, opina.

Com quase cinco anos de existência, o Manu, recém eleito restaurante do ano pelo Prêmio Melhores do Ano Prazeres da Mesa/Cacau Show, tem repercussão nacional — mais de 70% dos clientes são de fora de Curitiba. Com um cardápio de degustação original, chegou a ser definido como gastronomia ortomolecular. “Eu vejo de outra forma, como gastronomia autoral. Eu aprendi a valorizar os produtos da minha terra, o meu jeito de cozinhar, e a maneira como queria apresentar os meus pratos”, diz.

Comida é história e cultura

Manu Buffara afirma que não tem planos de abrir outro restaurante tão cedo: “priorizo a qualidade à quantidade”. Quanto à autenticidade da gastronomia contemporânea brasileira, a artista da cozinha afirma o que se reflete no mercado: “o cliente de hoje em dia é mais exigente, por isso é que a gastronomia contemporânea precisa inovar constantemente”, observa a chef, que não usa nenhum produto importado em sua cozinha. “É necessário valorizarmos os produtos locais. Comida é história e cultura. Eu cozinho para contar uma história através da comida”, conclui a chef.

Conheça o restaurante Manu: http://www.restaurantemanu.com.br/.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade