Publicidade
Quarta-Feira, 14 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 30º C
  • 22º C

Documentário de SC ganha prêmios no Maranhão e mostra bom ano da Novelo Filmes

Dirigido por Will Martins, primeiro longa-metragem da Novelo Filmes levou quatro prêmios em festival no Maranhão

Edinara Kley
Florianópolis
Daniel Queiroz/ND
Will Martins é o diretor de “Nem Caroço, Nem Casca”. Filme conta a história de moradores de seis comunidades quilombolas do Maranhão 

 

O longa-metragem “Nem Caroço, Nem Casca”, produzido pelo catarinense Will Martins, foi eleito o Melhor Filme Nacional do 36º Festival Guarnicê de Cinema, no Maranhão. O mérito não veio sozinho, chegou acompanhado do Prêmio VALE de Cinema, do Troféu ABD/Maranhão e levou o título de Melhor Documentário do evento. 

A produção teve sua pré-estreia no Cine Odeon Petrobrás, tradicional sala carioca em julho deste ano. Rodado no interior do Maranhão em 2012, o primeiro longa da produtora Novelo Filmes, conta a história de moradores de seis comunidades quilombolas, daquele Estado.  Mas, ao invés de focar no passado dos personagens, Will quis conhecer e mostrar, de forma afetuosa, o contexto atual destes descendentes de escravos.

Para as gravações, o diretor emergiu nas comunidades e passou cinco semanas circulando pela estrada que liga os quilombolas existentes nos arredores da cidade de Viana, há cerca de 200 km da Capital maranhense, conhecendo cada uma delas e seus habitantes. “Foi um filme honesto, para mim e para as pessoas que eu estava documentando. Fiquei muito feliz com esta resposta logo no primeiro festival do qual participamos, foi inesperado e animador”, define o diretor.

Além de inscrever a obra em outros festivais nacionais e internacionais, a Novelo está em tratativas para que “Nem Caroço, Nem Casca” tenha sua estreia em solo catarinense. A ideia é que o filme chegue às salas de cinema da Capital e do Estado ainda neste ano. 

Acostumado a produções etnográficas, Will comenta que também fez sua estreia na direção de longas. “Sempre achei que meu primeiro longa seria uma ficção. Mas o documentário acabou cruzando o meu caminho  e eu nunca disse não”, lembra o diretor que se prepara para o próximo filme do gênero, que será sobre a companhia de dança contemporânea de Florianópolis, Cena 11.

 

Daniel Queiroz/ND
Equipe da Novelo Filmes tem vários projetos em andamento, como o documentário sobre o Cena 11, e o curta "O Último Dente"

 

 

Produção acelerada

Ainda em pré-produção, o documentário “Cena 11 - Tempo e Movimento” propõe um diálogo entre dança e cinema para levar às telas, em linguagem cinematográfica, o processo criativo do grupo. Sob pernas de pau, pendurados em estruturas metálicas, corpos contra paredes ou chocando-se contra o chão, os atores desafiam a gravidade e os limites da dor. Contemplado pelo Edital Catarinense de Cinema 2012, o filme acompanha a criação dos temas e coreografias, enquanto se expande para fora do palco e chega a galpões, salas modernas, videoinstalações e visuais paradisíacos da cidade.

Na ilha de edição, o curta-metragem “O Último Dente”, dirigido pro Cíntia Bittar, é a mais recente ficção da casa. A história, narrada nos anos 1970, mostra o contato de uma criança (Geórgia) com a ditadura militar brasileira, narrado com elementos de suspense e terror. No elenco, a atriz mirim Liz Comerlatto estreia ao lado de atores como Amélia Bittencourt, Otto Jr., Gilda Nomacce e Cleístenes Grött.

Antes de “Nem Caroço, Nem Casca”, a Novelo teve destaque com o “Qual Queijo Você Quer?”, comédia dramática também dirigida por Cíntia que continua no circuito de festivais. O filme estreou em 2011, no Festival de Paulínia, e já passou por mais de 60 telas, conquistou mais de 20 prêmios no Brasil e exterior, como o de “Melhor Curta-Metragem”, no Festival do Rio. É o primeiro curta brasileiro a ser adquirido pela iTunes Store Brasil.  

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade