Publicidade
Terça-Feira, 20 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 16º C

Demétrio Panarotto lança livro de contos nesta quarta-feira, em Florianópolis

Músico, escritor e professor, conhecido como integrante da banda Repolho e dos Irmãos Panarotto, lança "Ares-condicionados"

Karin Barros
Florianópolis
Débora Klempous/ND
Demétrio Panarotto lança "Ares-Condicionado" pela Nave Editora

Inquieto, Demétrio Panarotto, 45, construiu em seu apartamento no Córrego Grande, em Florianópolis, seu universo e dos dois filhos, de sete e quatro anos. Entre violão, inúmeros desenhos colados nas paredes, muitos livros e um grafite do artista Digo Cardoso no meio da sala, o professor universitário, doutor em teoria literária e músico ainda tem no currículo livros escritos desde o ano 2000.

Nesta quarta-feira, mais uma de suas obras chega ao público, é “Ares-condicionados”, todo de contos. O lançamento acontece no Museu da Escola Catarinense, no Centro da Capital, às 19h, com cerveja artesanal feita especialmente pelo irmão para o livro. Nele, Demétrio brinca com o leitor, com o imaginário, com as palavras, com o sujeito que lê e o sujeito que observa. “Alguns momentos eu tento fazer o exercício da câmera de aproximação, que dá o close, e o movimenta de retirada da cena. É uma construção de imagens e criando cenas, que vão compondo espaços, e que na minha cabeça são de asfixia dentro da sociedade”, conta ele, que separa o livro em “O fora”, “O dentro”, “Trânsito”, “Obituário” e “Parágrafos avulsos”.

No último capítulo, é possível ver uma construção de cenas sem início e fim determinados. É uma série de parágrafos que constroem e constituem uma história, porém, independentes. “Chega o momento que o peso da narrativa passa para a terceira pessoa, para o peso da cena diminuir. Mesmo assim ela parecia um tanto pesada de carregar”, escreve Demétrio sobre o jogo de linguagens que remete a um roteiro de cinema. “Na construção do texto eu tenho essa possibilidade de dar uma carga de peso, emotiva, de sensações, e me transferir da cena. Pode ter sido eu naquele conto, ou outra pessoa”, explica ele provocando a capacidade de entendimento do leitor.

Apesar de descrever constante e incansavelmente cada detalhe de cada cena [conto] escrito, Demétrio não se assume um observador nato. “Eu muitas vezes fico espantado: estamos vendo a mesma cena? Vocês não estão vendo aquilo ali? Ou seja, a cena se coloca e eu vou sempre estar vendo os detalhes dela”, diz.

Na carreira de escritor, esse é o primeiro livro de contos efetivamente. Ele tem um e-book, um de cartonaria, quatro de poemas e um ensaio. “É trabalhoso discorrer por todos os tipos de textos. Eu aceito o desafio, e eu preciso quebrá-lo respeitando o que vem do texto e desrespeitando as próprias estruturas, para que eu não fique nos protocolos e convencionalidade. É sempre uma brincadeira por isso”, pontua Demétrio. 

Vida multifacetada

Demétrio tem apenas 45 anos, mas seu caminho é longo dentro das artes. O livro desta quarta-feira é um rito de passagem nos 15 anos de papel e caneta. Ansioso por novidade, pelo saber e pela criatividade constante, ele já passou por contação de histórias, os vários livros citados, o trabalho em sala de aula - o qual ainda é atuante, e a vida no palco, onde é músico da banda Repolho e tem um projeto “solo”, com o irmão e dois amigos, “Os Irmãos Panarotto”. Tudo casa com os temas relatados em “Ares-condicionados”, e são um reflexo da infância, que assim como tenta fazer com seus filhos, foi de intenso incentivo para todas as áreas.

O pai lia muito, fazendo Demétrio ter na memória o fato de ele viver folheando jornais e revistas, e ao final do mês, levar a pilha de papel na verdureira.  A mãe, não tão distante disso, é pedagoga, e passava dias lendo seus livros teóricos. Ou seja, o mundo dos livros sempre lhe foi familiar. Quanto à música, o pai de Demétrio sofreu repressão na década de 1950 pela própria mãe, que não aceitava o filho tocando violão. Com Demétrio, foi diferente. A insistência para que aprendesse foi diária, e com carinho e paciência, Demétrio tem a música com uma de suas paixões, também fazendo composições. 

Serviço

O quê: lançamento do livro “Ares condicionados”, de Demétrio Panarotto
Quando: 2/11, 19h
Onde: Museu da Escola Catarinense, rua Saldanha Marinho, Centro, Fpolis
Quanto: entrada gratuita

“Ares condicionados”. De: Demétrio Panarotto. Editora: Nave. 120 págs. R$20

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade