Publicidade
Sexta-Feira, 18 de Janeiro de 2019
Descrição do tempo
  • 29º C
  • 24º C

De berço musical, cantora Bia Krieger volta a Florianópolis em show gratuito

Cantora catarinense, radicada no Canadá apresenta o disco "Navegar"

Marciano Diogo
Florianópolis
Flávio Tin/ND
Origens. “Cantar aqui é sempre um prazer, o brasileiro tem uma energia única”, diz Bia

O sotaque definitivamente não entrega a nacionalidade da cantora Bia Krieger. Carioca exilada do Brasil com os pais ainda quando criança graças à ditadura militar, a artista começou a produzir sua música quando era adolescente e já morava na França, onde morou durante mais de duas décadas. Bia, que tem família catarinense e já contabiliza sete álbuns em sua discografia, realiza duas apresentações em Florianópolis nesta semana, uma gratuita e aberta ao público hoje, e outra amanhã já com todos os ingressos esgotados. “O francês sempre pede mais para compor, ele é muito bonito recitado, mas para melodia é mais complexo, porque tem muita vogal fechada nos fonemas. Já o português é como o espanhol, é mais musical, tem muita vogal aberta, o que torna o processo de compor mais fluído”, conta a cantora.

A identidade artística de Bia Krieger é baseada na mistura de gêneros musicais e de línguas exploradas em suas canções: a cantora canta e compõe em francês, espanhol, inglês, italiano e português. “Criei minha própria categoria. No início da carreira nem a gravadora sabia me definir”, brinca a brasileira hoje radicada em Montreal, no Canadá. Durante a infância, Bia morou no Chile, Peru e Portugal, onde se impregnou da cultura de língua espanhola. Na juventude, a artista residiu durante anos em Cassis, na França, onde começou a cantar profissionalmente e produziu seus primeiros álbuns musicais, “Le Memoire Du Vent”, “Carmin” e “Coeur Vagabond”, todos trazendo parte das canções com composições próprias.

Na carreira, Bia sempre trouxe adaptações que fez em francês de músicas de Chico Buarque. O multiartista, inclusive, não só autorizou como incentivou as traduções. “Versionar as canções de Chico é sempre especial. Ele já fez alguns elogios a mim, certa vez em um programa de rádio que gravamos juntos ele disse que não era uma cantora, era uma ‘encantadora’”, conta orgulhosa a compositora e também musicista – as canções de Bia também são acompanhadas do som das cordas de seu violão.

Com influências da MPB e Bossa Nova, o último álbum de Bia, “Navegar”, lançado em março, foi gravado no Brasil e Canadá, e apresenta 13 canções em francês, português e inglês. Cada música traz o acompanhamento da percussão de apenas dois instrumentos de cordas. “O disco é 100% autoral. De todos os meus álbuns, este é o que mais tive liberdade, o que assumi completamente a produção e direção artística”, conta.

Amores, exílio e luto

 Sobre a receptividade do público diante da multiplicidade de línguas exploradas em suas canções, Bia Krieger afirma que há prós e contras diante da empatia.

“Há um nicho de público. Mas para que ninguém fique ‘perdido’ nos shows sempre tento trazer alguma explicação antes das canções, contando sobre o que elas se referem ou como foi o meu processo de composição”, afirma a cantora, que explora temas como amores, exílio e luto. “Já escrevi música até sobre o homem pré-histórico”, descontrai.

Também reconhecido nacionalmente por seu trabalho, o primo de Bia, o músico Edu Krieger, compõe canções para cantoras como Maria Rita e Ana Carolina. Edu, que também produziu junto com a prima o CD “Navegar”, se apresenta junto com Bia hoje e amanhã em Florianópolis – a violoncelista canadense Scheila Hanningan auxilia na percussão das apresentações.

“A última vez que fiz show em Florianópolis foi em 2006. Cantar aqui é sempre um prazer, o brasileiro tem uma energia única”, afirma a artista, de linhagem musical  -  ela é sobrinha-neta do compositor Aldo Krieger (1903-1972) e sobrinha do maestro e compositor Edino Krieger.

Serviço:

• O quê: Show de Bia Krieger, acompanhada de Edu Krieger e Scheila Hanningan

• Quando: 10/9, 17h30

• Onde: Mercado São Jorge, rua Brejauna, 43, Itacorubi, Florianópolis, tel. 3238 5809

• Quanto: Gratuito

 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade