Publicidade
Segunda-Feira, 19 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 24º C
  • 18º C

Com 68 apresentações, Floripa Teatro — Festival Isnard Azevedo abre neste sábado

Festival irá até o dia 12 de outubro e nesta edição reúne 25 grupos de sete estados do país

Redação ND
Florianópolis

 

Juliana Alabarse/Divulgação
“Viúva, Porém Honesta”, da Cia Magiluth, de Recife, abre a programação de festival neste sábado, às 21h, no Teatro do CIC

 

 

 

POR REGIS MALLMANN

 

É reconfortante quando os dramas da ficção sobrepõem-se aos dramas da realidade. Depois três dias conturbados, por conta da queda do ex-secretário de Cultura do município, Luiz Moukarzel, na última terça-feira, é em clima de grande expectativa que começa, neste sábado, o 20º Floripa Teatro – Festival Isnard Azevedo. A abertura ocorre às 21h, no Teatro Ademir Rosa do CIC (Centro Integrado de Cultura), com apresentação de “Viúva, porém honesta”, montagem do grupo Magiluth para texto de Nelson Rodrigues, pernambucano como a companhia, que vem de Recife convidada pela organização. Este ano, participam 25 grupos e coletivos teatrais de sete estados do país, que, até o próximo sábado, dia 12, se revezam nos palcos de 23 espaços da Capital, em 68 apresentações. Todas as atrações são gratuitas.

Sétimo trabalho do Magiluth em nove anos de história, “Viúva, porém honesta” faz livre leitura do texto, talvez em tom ainda mais divertido do que o proposto pelo autor da peça, que teve sua primeira montagem em 1957. “É uma farsa irresponsável, um jogo teatral”, adianta o diretor Pedro Vilela. Segundo ele, a escolha de Nelson Rodrigues vem do fato de o coletivo comungar da mesma linguagem consagrada pelo dramaturgo, que em 2013 faria 100 anos. O caráter de pesquisa teatral também se evidencia na ação construída pelo grupo, por isso são poucos elementos em cena, alguns deles detalhes que idenficam um determinado personagem. “Em ‘Viúva’, um deles está sempre segurando o cachimbo, embora não seja sempre o mesmo ator que o está encarnando”, exemplifica Vilela.

O diretor pernambucano justifica a opção por recursos que remetem e expõem ao público os diversos mecanismos que compõe a construção de um espetáculo teatral. “A farsa, para existir, de um lado precisa ter alguém farseando, e de outro alguém acreditando”, diz Vilela. No espetáculo que o público de Florianópolis poderá assistir neste sábado, são dele a direção, a luz e o som. A história se passa quando o Dr. J.B. de Albuquerque Guimarães, diretor do influente jornal “A Marreta”, não consegue convencer a filha única, Ivonete, a deixar de velar seu marido morto, Dorothy Dalton. Ele quer que ela volte a ter uma vida normal, uma vez que tem apenas 15 anos e pode se casar de novo e lhe dar netos. Estando a filha irredutível e desejosa de permanecer enviuvada, o Dr. J.B. contrata uma ex-prostituta, um psicanalista e um otorrinolaringologista (todos charlatões) para dissuadi-la da ideia de nunca mais casar.

 

Evento mais enxuto

Com foco na formação de plateia e ampliação do acesso da população às expressões culturais, a programação do Floripa Teatro 2013 é gratuita. As apresentações serão levadas a praças e parques por meio do projeto Cena Aberta nas Comunidades. A integração de três novos equipamentos à estrutura da 20º do Isnard Azevedo volta o foco para a descentralização, apostando em novos espaços, como Teatro Dionísio, nos Ingleses, inaugurado em 2012, e o Circo da Dona Bilica, aberto há dois meses, no Morro das Pedras. Também integra a agenda o Círculo Artístico Teodora, em atividade desde o mês de setembro, no Campeche. 

“Estendemos o festival para mais lugares. Mesmo menor, mais enxuto, feito com recursos próprios – foram investidos cerca de R$ 400 mil –, ele prioriza a qualidade, a formação de público”, considera a diretora de arte da FFC, Marta Cesar. Ela vê como positiva a eliminação das tendas, montadas em anos anteriores, já que sem elas, fizeram economia. “Não gastamos com aluguel das lonas e estrutura do palco, plateia, equipamentos. Além disso, os espaços de teatro onde ocorrem apresentações este ano oferecem mais conforto e segurança”, analisa.

O quê: 20º Floripa Teatro – Festival Isnard Azevedo

Quando: até 12/10

Quanto: gratuito

PROGRAMAÇÃO

Sábado,

21h – (abertura)“Viúva, Porém Honesta”, Cia Magiluth, Recife (PE), Teatro Ademir Rosa do CIC (Centro Integrado de Cultura)

Domingo

15h – “Cocô de Passarinho”, Cia. Noz de Teatro, Dança e Animação, São Paulo, Teatro Ademir Rosa do CIC

16h – “Amor por Anexins”, Grupo de Teatro Guará, Goiânia (GO), espetáculo de rua, Parque Municipal da Lagoa do Peri (Cena Aberta nas Comunidades / Morro das Pedras). Em caso de chuva: na sede do parque.

16h – “Hap, o Melhor Espetáculo da Terra”, Circular Artes do Circo, Florianópolis, espetáculo infantil, sede do Centro Comunitário do Morro da Queimada

16h – “A Farsa do Advogado Pathelin”, Grupo Rosa dos Ventos, Presidente Prudente (SP), espetáculo de rua, Parque de Coqueiros (Cena Aberta nas Comunidades / Coqueiros). Em caso de chuva: Terminal Rodoviário Rita Maria.

 

***Confira no caderno Plural, do jornal Notícias do Dia, críticas sobre festival na segunda (7), quarta (9), sexta (11) e segunda (14), de Marcos Vasques e Rubens Cunha.

 

 

Juliana Alabarse

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade