Publicidade
Segunda-Feira, 19 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 24º C
  • 18º C

Catarinenses se destacam no Petrobras Cultural

Quatro iniciativas são contempladas na edição 2010/2011 do programa cultural com maior abrangência do Brasil

Dariene Pasternak
Florianópolis

Agência Petrobras de Notícias/Divulgação/ND

Nilo Oliveira (E), Thiago Skarnio, Renato Turnes, Tatiana Gonzaga e Ana Lúcia Coutinho recebem em São Paulo prêmio da Petrobras 

A Petrobras divulgou o resultado da segunda fase das seleções públicas do PPC (Programa Petrobras Cultural) edição 2010 e entre os 149 projetos contemplados no Brasil, quatro são de Santa Catarina. O curta-metragem digital “O Homem Dublado”, de Renato Turnes, o apoio aos websites brasileiros da associação cultural Alquimídia, a manutenção e ampliação do Liceu de Artes em Modelismo Naval, da Associação Amigos do Museu Nacional do Mar, e o livro de ficção “Vacum: Uma novela sobre a loucura, a literatura e a farra do boi”, de Nilo Oliveira de Souza, foram as quatro iniciativas catarinenses incluídas neste edital, anunciadas na última sexta-feira, em evento na Cinemateca Brasileira, em São Paulo.


Nesta edição, os projetos receberão, ao todo, R$ 52,9 milhões, distribuídos em três linhas de atuação: formação, preservação e memória e produção e difusão. Desde 2003, quando foi criado, o PPC já destinou R$ 311 milhões. A fase inicial da edição 2010 foi anunciada no primeiro semestre e incluiu festivais e projetos de longa-metragem, entre outros.


“A fórmula de seleção do PPC se tornou referência para outros programas no Brasil, pela melhoria contínua e transparência dos processos públicos”, explicou Eliane Costa, gerente de patrocínios da Petrobras. O programa integra tanto grandes como pequenas iniciativas. A escolha dos projetos é feita por críticos, pesquisadores, acadêmicos, jornalistas, entre outros profissionais, sendo sete julgadores em cada área, agrupados em comissões independentes da empresa, que só media o diálogo. O PPC tem acordo de cooperação com o MinC (Ministério da Cultura). Jorge Guimarães, chefe de fomento da Secretaria da Cultura, representou o MinC no evento. 


Os catarinenses:


“O Homem Dublado”, do ator e diretor Renato Turnes, é um curta-metragem do gênero “comédia fantástica”. É a história de um homem comum que, como todo brasileiro, teve sua formação audiovisual baseada em filmes e programas de TV dublados. Certa manhã, ele acorda “dublado”. O projeto também foi selecionado no Edital Catarinense de Cinema, porém com o dinheiro do PPC, será feita a digitalização. “Agora eu vou fazer o filme que eu quero”, disse Turnes. A proposta é começar a rodar entre abril e maio.

A Associação Cultural Alquimídia, é a desenvolvedora e mantenedora (via parceria) de todos os equipamentos públicos culturais de Santa Catarina como o MASC (Museu de Arte de Santa Catarina), teatros e Biblioteca Pública, além do o portal da FCC (Fundação Catarinense de Cultura). Circulam nos bancos de dados as agendas de todos estes equipamentos e as informações dos Pontos de Cultura e a  produção audiovisual Catarinense. O projeto contemplado, Cultura + Digital = Alquimídia, pretende agregar todos estes dados de forma mais dinâmica, não só através de uma única interface, mas permitindo agregar outros sites que queiram divulgar e participar desta rede.

O projeto “Vacum: Uma novela sobre a loucura, a literatura e a farra do boi”, de Nilo Oliveira de Souza, é uma ficção que conta a história de um sujeito que sai de uma clínica psiquiátrica depois de enlouquecer de tanto ler literatura maldita. Ele se isola numa armação. O pano de fundo é a reação, muitas vezes caracterizada por um forte sentimento de xenofobia de algumas comunidades de Santa Catarina e o indivíduo que se vê estigmatizado por não compartilhar dos códigos culturais de um determinado grupo ou meio social. Souza brinca que vive como um escritor incógnito em Florianópolis. Ele é professor na Unisul e autor do livro “Pornografia Pessoal de um Ilusionista Fracassado" (Editora Baleia), lançado somente em São Paulo em 2003.

“Manutenção e ampliação do Liceu de Artes em Modelismo Naval”, da Associação Amigos do Museu Nacional do Mar, de São Francisco do Sul pretende difundir o artesanato naval de qualidade e estimular a produção de artesãos e modelistas, por meio de cursos. “Vai contemplar os mestres do saber para transferir o conhecimento do artesanato naval em oficinas para a comunidade”, explicou Ana Lúcia Coutinho, diretora do Museu do Mar. Este projeto já funcionou na instituição, entre 2006 e 2009, patrocinado pela Unesco.

A repórter viajou a São Paulo a convite da Petrobras
 


 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade