Publicidade
Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 20º C

Bollywood, maior indústria cinematográfica do mundo, completou 100 anos em 2013

Se você pensa que o cinema norte-americano é o que mais produz, precisa conhecer os melodramas e musicais feitos na Índia

Carol Macário
Florianópolis
Divulgação/ ND
Musical é o gênero favorito dos indianos e os filmes sempre têm coreografia no final

Se você se impressiona com as grandes produções norte-americanas e acha que Hollywood é a maior indústria cinematográfica do mundo, espere até conhecer os filmes de Bollywood, a maior indústria de cinema da Índia – país que coloca os Estados Unidos no chinelo no que diz respeito a número de produções – a média é de mais mil filmes por ano, segundo a Bollywood Filmes, primeira e uma das únicas distribuidoras de cinema indiano no Brasil. Em 2012, foram 1.500 produções. No mês passado, Bollywood celebrou seu centenário em grande estilo no 66º Festival de Cannes, na França, onde foi homenageada com a exibição de dois filmes.

O nome Bollywood é uma combinação de Mumbai (capital indiana, que antigamente se chamava Bombaim) com Hollywood e o primeiro filme estreou em 3 de maio de 1913. “Haja Harischandra” ou “O Rei Harischandra”, do diretor Dhundiraj Govind Phalke, filme mudo, conta a história de um personagem citado no “Mahbharata”, épico clássico da Índia.

“É um cinema com o qual se tem pouquíssimo contato no Brasil. Há dificuldades inclusive de se encontrar filmografia aqui”, afirma Mauro Pommer, professor de cinema da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Nos cinemas da Capital, a exibição de filmes de Bollywood pode-se dizer que é inédita. Até mesmo a crítica especializada no Brasil é pouca. Uma única publicação, a “Bollywood Brasil” (www.bollywoodbrasil.com.br), dá conta da crítica e das sinopses das produções indianas.

“É uma estética muito diferente da nossa”, comenta Pommer. Do outro lado mundo, a sétima arte aposta no melodramático, nos musicais e coreografias que têm um estilo bem distante da filmografia norte-americana e européia. Mas por lá o gênero é um sucesso. “Porque a maior parte das produções é direcionada para o público interno”, afirma Alessandra Brandão, professora de cinemas mundiais e teoria do cinema na Unisul (Universidade do Sul de Santa Catarina). Além disso, principalmente nos grandes centros da Índia, o preço dos ingressos para o cinema é acessível, a partir de R$ 1.

Divulgação/ND
Bollywood também aposta em filmes de ação, como "Shootout at Wadala"

 

Grandes produções

Ainda antes do sucesso de “Quem quer ser um milionário” (2008), dirigido pelo inglês Danny Boyle, uma coprodução Índia e Inglaterra, o cinema ocidental estava de olho em Bollywood. Os oitos Oscars que o filme venceu em 2009 só ajudaram a encurtar as distâncias. “Os norte-americanos estão cada vez mais próximos do cinema asiático. Tem as parcerias e coproduções, tanto com o cinema chinês quanto o indiano. Eles viram o grande potencial que tem”, afirma Mauro Pommer.

Infelizmente no Brasil chega pouca coisa às salas de cinema. “Existe o problema dos distribuidores, basicamente dominados pelos norte-americanos”, diz o professor. “Mesmo assim os que circulam por aqui são mais parecidos com as produções ocidentais, percebe-se a domesticação desses filmes”, acrescenta Alessandra Brandão. Para ela, apesar de a estética bollywodiana ser mais dura, o público brasileiro compraria. “Claro, não é a mesma plateia de ‘Homem de Ferro’, por exemplo, mas tem público sim.”

Curiosidades

- Tanto quanto Hollywood, Bollywood também tem suas celebridades, as divas e os homens mais desejados. No site www.bollywood (em inglês) é possível conferir as últimas grandes produções e sinopses, além das fofocas do meio.

- Os filmes de Bollywood são todos em hindi, idioma falado por 70% dos indianos

- No passado, artistas plásticos indianos ganhavam a vida pintando à mão letreiros e cartazes de novos filmes

- Os filmes de Bollywood são populares em alguns países asiáticos, principalmente o Paquistão, pela proximidade da língua

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade