Publicidade
Domingo, 23 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Autora catarinense dá vida poética às lendas populares em livro infantil

Cobra Norato e Outras Miragens. de Eloí Bocheco, resgata o mundo imaginário da literatura oral

Fábio Bispo
Florianópolis
23/12/2016 às 18H55
Eloí Bocheco resgata lendas como do Curupira e Pedro Malazartes, personagens da infância dos brasileiros  - Divulgação/ND
Eloí Bocheco resgata lendas como do Curupira, do Saci e Pedro Malazartes, personagens da infância dos brasileiros - Divulgação/ND



 Pode parecer clichê, mas o encontro poético com o brincante Saci, o atento Curupira, o valente Negrinho do Pastoreio, a assustadora Pisadeira, o belo Cobra Norato, o luminoso Caboclo D’água,  a esvoaçante Iara, a reluzente mula-sem-cabeça,  o esperto Pedro Malazartes, o melodioso Uirapuru, a alva Mani, o incandescente Boitatá, a espantosa mula-sem-cabeça, a imprevisível Matinta e outras encantadoras miragens, podem ser capazes de aflorar nossos sentimentos mais enclausurados. Nossa fantasia mais eloquente. Ou uma memória há muito perdida.

Referência fundamental para as crianças do campo nos anos de 1960, “Cobra Norato e Outras Miragens” (2016). De Eloí Bocheco. Editora Habilis Press. é um presente do passado. De um tempo em que a literatura só chegava à zona rural de forma oral: “Com exceção de Cobra Norato, que conheci no ensino médio, os outros personagens me foram apresentados na infância e me seguiram pela vida afora, guardados nos arquivos da memória”, conta Eloí.

Nas 52 páginas da obra, através de textos poéticos, a autora aproxima o leitor do mistério natural das lendas, gênero que valoriza as crendices e a cultura do nosso povo. E é uma boa pedida aos educadores que buscam levar esses encantos para as salas de aulas. Com um indicação bastante elástica capaz de fascinar desde os pequenos até os mais grandinhos, que não passarão incólumes às miragens arraigadas do nosso imaginário popular.,

A obra é ilustrada pelo artista gaúcho Dane D’Angeli, que através do dialogo com os versos mergulha no mundo lúdico imprimindo cenas de grande força imagética a cada um dos personagens do nosso folclore.

“Homenageá-las, em verso ou prosa, é um modo de regar raízes caras à memória, e, também, uma forma de cultivo de parte de um repertório imprescindível da cultura oral brasileira”, afirma a autora.

Ilustrações no livro são do artista gaúcho Dane D’Angeli - Divulgação/ND
Ilustrações no livro são do artista gaúcho Dane D’Angeli - Divulgação/ND



Afeição aos causos

Esta é a 22º obra infantil de Eloí, que também participou de várias antologias, dentre as quais,  Cuentos Infantiles Brasilenos, editada na Costa Rica e organizada por Ninfa Parreiras e Glória Valladares Grangeiro. Foi responsável, junto com a professora Zenilde Durli ,durante dez anos, pela pauta do Jornal de Literatura Infantil e Juvenil “O Balainho”,  da Universidade do Oeste de SC –UNOESC.

A proposta do livro nasceu quase que de uma necessidade íntima de Eloí, que guarda viva na memória os causos, as brincadeiras e a maneira de se relacionar através dessas figuras e miragens lúdicas:

“Cobra Norato e Outras Miragens surgiu do desejo de registrar poeticamente algumas figuras do folclore brasileiro pelas quais tenho enorme afeição. Cresci ouvindo, repetidas vezes, as  histórias destes  personagens, nos serões, através dos contadores e declamadores de minha infância”, explica.

Autora coleciona premiações

Eloí iniciou na literatura em 1998, escrevendo crônicas no Jornal A Notícia de Joinville. Em 2006, as crônicas resultaram no livro “Pedras Soltas”, publicado pela EdUFSC e premiado pela Academia Catarinense de Letras, como livro do ano na categoria crônicas.

Logo na sua estreia como escritora, Eloí foi agraciada com prêmio Boi-de-mamão da Câmara Catarinense do Livro pela publicação de “Uni..Duni..Téia” (1998). Editora Papa-Livro. Desde então, não parou mais de publicar para o público infantil e juvenil em várias editoras ( Paulinas, Melhoramentos, Dimensão, Saraiva, Habilis Press, CEP, dentre outras). Entre os destaques de sua obra está “Beatriz Em Trânsito” (2007). Editora Dimensão, que recebeu vários prêmios, entre eles o Mario Quintana, da Biblioteca Internacional de Munique, Minc, Catálogo de Bolonha, entre outros.

O livro pode ser encontrado através do site da editora, http://habilispress.com/produto/108/cobra-norato-e-outras-miragens e pode ser enviado para todo o Brasil.

Saiba mais:

Eloí Elisabet Bocheco nasceu no ano de 1955, em Zortéa, interior do Estado de Santa Catarina,  onde morou até seus 12 anos. Cursou Letras (1980), na Universidade de Passo Fundo (RS), e Pós-graduação em Alfabetização e Metodologias de leitura, na Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC/1986). Atuou no Magistério Público de Santa Catarina como professora alfabetizadora, nas disciplinas de Língua Portuguesa e Literatura, bem como animadora cultural no espaço da Biblioteca escolar, aposentando-se em 1998.

Cobra Norato e Outras Miragens

Autora: Eloí Bocheco

Ilustrador: Dane D’Angeli

Editora Habilis Press

Preço: R$ 34

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade