Publicidade
Quarta-Feira, 19 de Dezembro de 2018
Descrição do tempo
  • 29º C
  • 23º C

Artista Rodrigo de Haro ganha mostra abraçando os mais de 60 anos de produção

Rodrigo de Haro - Sem Repetir uma Única Estrela” está aberta à visitação na Fundação Cultural Badesc

Redação
Florianópolis
20/09/2018 às 21H06
Retrospectiva abrange os temas caros ao pintor e poeta  - Flávio Tin/Arquivo/ND
Retrospectiva abrange os temas caros ao pintor e poeta - Flávio Tin/Arquivo/ND



A exposição “Rodrigo de Haro - Sem Repetir uma Única Estrela” está aberta à visitação na Fundação Cultural Badesc, no Espaço Fernando Beck. A mostra tem curadoria de Fabrício Tomazi Peixoto e Eneléo Alcides e reúne mais de 60 obras, algumas inéditas e grande parte nunca expostas. A proposta é ser uma síntese dos mais de 60 anos de dedicação do artista à pintura, ao desenho e à poesia.

A mostra transita pelos temas afetivos de Rodrigo de Haro, como a Ilha de Santa Catarina e seus personagens, lugares por onde o artista circulou, os mitos, o sagrado, o desejo, as mulheres, os bailes e cabarés. Pinturas, desenhos, cartazes e livros de coleções particulares e de instituições públicas compõem a exposição retrospectiva em homenagem ao artista que tem 79 anos. 

Obras de várias fases estão expostas - Divulgação/ND
“Rodrigo de Haro - Sem Repetir uma Única Estrela” traz obras das principais dos artista- Divulgação/ND



Há também originais de três livros manuscritos inéditos do artista, também poeta, “Idílios Vagabundos”, “Lanterna Mágica” e “Poesia para Recitais”, que também são reproduzidos em vídeo que integra a exposição. Rodrigo nasceu em Paris em 1939 e foi criado em Florianópolis, onde desenvolveu e ampliou sua veia poética, intelectual e artística.

Confira a entrevista com o curador Fabrício Tomazi Peixoto:

A curadoria da mostra tentou abraçar a trajetória do artista em várias fases?
A curadoria da mostra se preocupou em fazer um recorte representativo dos mais de 60 anos da intensa produção artística de Rodrigo de Haro, selecionando desenhos, pinturas, livros manuscritos e editados, cartazes e catálogos de exposições, que datam desde os anos 1960 do século passado até obras recentes, com ênfase nos seus laços com a Ilha de Santa Catarina, suas andanças por outras cidades, as personagens femininas e as flores, as festas, bailes e máscaras, os mitos e o sagrado em diálogo com o eros, além de sua produção poética.

As obras pertencem a quais acervos?
As obras pertencem ao acervo do artista, ao Tribunal de Justiça de Santa Catarina e a colecionadores particulares, entre eles Marcelo Collaço Paulo e Ylmar Corrêa Neto.

De onde nasce este título: Sem Repetir uma Única Estrela?
O nome da mostra foi retirado do poema “Caleidoscópio”, de Rodrigo de Haro, pois o relacionamos com a circularidade presente nos temas que compõe seus campos de interesse. Os mitos, o sagrado, o profano, o sensual, as personas e suas máscaras, mulheres marcantes, a exuberância das flores e das festas. Tudo se destaca, mistura-se ou se sobrepõe na obra de Rodrigo. Imagens são revisitadas, mas nunca repetidas.

Há na exposição também a exibição de livros originais ainda inéditos e a reprodução em vídeo de três livros manuscritos do artista. Como será essa área da mostra?
Rodrigo de Haro é igualmente reconhecido como artista plástico e como poeta que ocupa a cadeira 35 da Academia Catarinense de Letras. Como forma de valorizar o ato de fazer à mão, produziu um número pequeno de livros ainda inéditos, entre eles, “Idílios Vagabundos”, “Lanterna Mágica” e “Poesia para Recitais”. Na página em branco do livro Rodrigo cria desde as margens e linhas que guiarão sua letra marcante, até as ilustrações que embelezam e enriquecem esses raros exemplares. Com a impossibilidade de permitir o manuseio desses volumes por todos os visitantes da mostra, as páginas dos três livros foram fotografadas e serão reproduzidas em vídeo, permitindo que o público conheça o seu conteúdo completo.

Serviço:

O quê: Exposição “Rodrigo de Haro - Sem Repetir uma Única Estrela”
Quando: até 19/10, terça a sábado, 12 às 19h.
Onde: Fundação Cultural Badesc, rua Visconde de Ouro Preto, 216, Centro, Florianópolis – tel. (48) 3224-8846
Quanto: Gratuito

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade