Publicidade
Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 20º C

Anitta defende o funk carioca em palestra para bilionários em Harvard

Não foram suas curvas nem o bumbum de seus clipes que a levaram a Harvard. A questão era como essa garota dos subúrbios do Rio de Janeiro se tornou uma das maiores celebridades de um país continental

Folha de São Paulo
São Paulo
07/04/2018 às 09H52

SILAS MARTÍ

BOSTON, EUA (FOLHAPRESS) - Nenhum encontro foi tão disputado. Horas antes de Anitta chegar, um auditório de Harvard, uma das universidades mais importantes do planeta, já estava lotado à espera da grande diva do funk.

Funk, não pop, ela fez questão de enfatizar durante sua fala no evento organizado por alunos brasileiros ali e no MIT. Nas primeiras fileiras, empresários do calibre de Jorge Paulo Lemann, dono de uma fortuna de bilhões de dólares, e outros que fizeram só o seu primeiro bilhão.

O dia de frio e tempestade de neve em Boston traiu a primavera que está no calendário, mas Anitta foi a embaixatriz do calor. Não cantou, a não ser uns versos meio esgoelados de "Downtown" quando pediram uma palhinha. Talvez porque o tema fosse um tanto frio como o clima.

Não foram suas curvas nem o bumbum estrela de seus clipes que a levaram a Harvard. A questão era como essa garota dos subúrbios do Rio de Janeiro se tornou uma das maiores celebridades de um país continental como o Brasil e passou a ditar tendências na indústria musical.

E, em bom português carioca, Anitta começou desancando a bossa nova. "É muito difícil você cantar sobre o barquinho que vai, a tardinha que cai se você nunca viu essas coisas. O funkeiro canta a realidade dele. Se ele acorda, abre a janela e vê gente armada e se drogando, gente se prostituindo, essa é a realidade dele", ela resumiu.

Na visão sem filtro cor-de-rosa da artista, as letras do funk só vão mudar quando for outra a realidade dos morros. "Para mudar o contexto da letra do funk, você precisa mudar a realidade de quem está vivendo essa realidade."

Anitta, no caso, esboçou ali os princípios de uma voluptuosa realpolitik, argumentando que ao não esconder a verdade sobre suas plásticas -a mais notória delas redesenhou seu nariz- ela mostrava que até aqueles que servem de exemplo para os seus seguidores têm imperfeições.

"O nosso país é o segundo país que mais faz cirurgias plásticas. Quando a gente finge que é possível ter uma vida sem erro, sem consertos, você ilude o público. Tanto que na hora de o público votar, ele vai procurar a pessoa que melhor sabe fingir, então vai votar errado", ela disse.

Tudo em Anitta, do nariz esculpido à jaqueta mais Versace impossível e saltos pretos nos pés, é calculadíssimo.

Diante de um público que sabe usar calculadoras científicas, ela falou em números. Tuítes, compartilhamentos, downloads. Ela conta que construiu a estratégia de vendas de todas as suas canções buscando um nicho estreito entre música latino-americana, daí cantar em espanhol, e os hits do pop americano.

"Fui para a rua e comecei a pesquisar com o povo. Descobri o reggaeton assim", disse. "Sou o Pedro Álvares Cabral do reggaeton. O reggaeton já estava lá, e eu não conhecia. Os três grandes mercados digitais são os de língua inglesa, espanhola e portuguesa, por causa do Brasil."

Não demorou até o momento em que ela gravou com os colombianos Maluma e J Balvin, dois astros do gênero latino que ensaiam suas carreiras já um tanto meteóricas.

Mas Anitta estava de olho nos números. Ela buscava um equilíbrio entre letras em espanhol e inglês e frases de efeito em português -entre elas, a indispensável "vai, malandra". Sua insistência com as rádios americanas em tocar esses híbridos, aliás, catapultou suas obras nos EUA.

 

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade