Publicidade
Quarta-Feira, 21 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 17º C

Vítimas de incêndio no Jardim Atlântico recebem primeiras doações, em Florianópolis

A Prefeitura de Florianópolis divulgou orientações sobre a doação de alimentos, roupas, cobertores e materiais de construção para os atingidos pelo incêndio

Redação ND
Florianópolis
10/06/2018 às 15H53

As vítimas do incêndio de grandes proporções ocorrido na noite deste sábado (9) no Jardim Atlântico, na região continental de Florianópolis, começaram a receber as primeiras doações neste domingo (10). O fogo, que destruiu cinco casas e teve início após o vazamento de um botijão de gás, fez com que 27 pessoas, entre adultos e crianças, precisassem ir para casas de familiares. Nesta manhã, a Prefeitura de Florianópolis divulgou orientações sobre a doação de alimentos, roupas e cobertores, além de materiais de construção.

Até o início desta tarde, o Corpo de Bombeiros informou que a perícia ainda não havia sido realizada. O procedimento ocorre apenas de segunda a sexta-feira, mas como a dona da casa onde as chamas tiveram origem relatou ter presenciado o início do fogo, a realização da perícia ainda não é certa.

A rede solidária Somar Floripa, da prefeitura, entregou alimentos para os atingidos neste domingo - PMF/Divulgação/ND
A rede solidária Somar Floripa, da prefeitura, entregou alimentos para os atingidos neste domingo - PMF/Divulgação/ND

Doações

A rede solidária Somar Floripa, da prefeitura, deu início à arrecadação de material de construção para os atingidos, que podem ser encaminhados ao canteiro da Secretaria de Infraestrutura, que fica entre o cemitério do Itacorubi e a Tecnópolis.

As doações de roupas podem ser entregues na prefeitura (rua Tenente Silveira, nº 50, Centro), na Secretaria do Continente (rua João Evangelista da Costa, nº 827, Jardim Atlântico), no Pró-Cidadão (avenida Mauro Ramos, nº 224, Centro) e nas intendências em diferentes regiões da cidade. Os locais ficam abertos a partir desta segunda-feira, às 9h.

A prefeitura também informou os tamanhos das roupas das pessoas atingidas:

  • 1 homem – calça 40 – camisa M
  • 1 homem – calça 40 – camisa G
  • 1 mulher – calça 42 – camisa M
  • 1 mulher – calça 42 – camisa G
  • 1 homem – calça 46 – camisa G
  • 1 mulher – calça 46 – camisa G/GG
  • 1 homem – calça 46/50
  • 1 mulher – calça 48 – camisa G/GG
  • 3 meninas de 15 anos
  • 1 menino de 11 anos
  • 1 menina de 10 anos
  • 1 menina de 8 anos
  • 1 menina de 7 anos
  • 1 menina de 6 anos
  • 1 menino de 2 anos
Agentes da Defesa Civil e das secretarias de Assistência Social e do Continente estiveram no Jardim Atlântico durante a noite de sábado - PMF/Divulgação/ND
Agentes da Defesa Civil e das secretarias de Assistência Social e do Continente estiveram no Jardim Atlântico durante a noite de sábado - PMF/Divulgação/ND


Ainda durante a noite, agentes da Defesa Civil e das secretarias de Assistência Social e do Continente estiveram no local acompanhando a situação de perto. Integrantes da rede Somar Floripa também estão no Jardim Atlântico desde a noite de sábado. Já foram entregues doações de cestas básicas, roupas e cobertores.

Por volta das 10h deste domingo, foi realizada uma reunião no local do incêndio, com a participação do secretário adjunto do Continente, Maurício Vilela, e integrantes da Secretaria Municipal de Assistência Social. Novas informações apuradas, segundo a prefeitura, sugerem que não houve explosão após o vazamento de um botijão de gás.

Nesta segunda-feira (11), a Comcap deve iniciar a limpeza da área atingida.

O incêndio 

O incêndio começou por volta das 21h50 na rua José Luiz Vieira e se espalhou rapidamente. Pelo menos cinco viaturas do Corpo de Bombeiros da Capital e de São José estão empenhadas no local. Por volta das 22h30, o incêndio já estava controlado, mas os bombeiros ainda faziam o rescaldo das chamas. Não houve vítimas. 

A moradora da casa onde o incêndio teve início informou que estava fazendo um entrevero de pinhão na hora do incidente. Ela estava em casa com dois filhos e uma irmã. Sabrina Cabral Barbosa, de 30 anos, não conseguiu tirar nenhum bem material do imóvel, nem mesmo seus documentos.

Quatro casas foram destruídas pelas chamas - Flávio Tin/ND
Quatro casas foram destruídas pelas chamas - Flávio Tin/ND



Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade