Publicidade
Sábado, 17 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Vítimas da enxurrada, em Florianópolis, podem acionar seguros para reduzir os danos

Seguros habitacional e de veículos protegem patrimônios contra os danos provocados por chuva, enchentes e desmoronamento, desde que provocados por causas externas

Michael Gonçalves
Florianópolis
15/01/2018 às 22H47

Proprietários de veículos segurados ou de imóveis financiados podem pedir indenizações pelos danos sofridos com a enxurrada que provocou alagamentos e deslizamentos em Florianópolis, na semana passada. Uma das vítimas é o armador José Ailton Alves da Silva, 34, que há nove anos paga o financiamento de um apartamento térreo no Conjunto Habitacional Parque das Figueiras, bairro Monte Verde.

José Aílton, que perdeu móveis no apartamento térreo que sofreu avarias, vai buscar seus direitos - Marco Santiago/ND
José Aílton, que perdeu móveis no apartamento térreo que sofreu avarias, vai buscar seus direitos - Marco Santiago/ND



Na madrugada de quinta-feira (11), Silva recebeu um telefonema da mulher comunicando que a água estava invadindo o imóvel. “Estava em uma viagem ao Nordeste e foi desesperador não ter como ajudar a minha família. Perdemos vários móveis, sendo que alguns ainda nem terminamos de pagar. Além disso, a estrutura do apartamento sofreu avarias. Vou reunir os documentos necessários e buscar os meus direitos”, afirmou.

Conforme informações da Caixa Econômica Federal, o seguro habitacional protege a casa própria contra os danos provocados por chuva, incêndios, enchentes, destelhamento e desmoronamento total ou parcial de paredes ou elementos estruturais, desde que provocados por causas externas. Para comunicar o sinistro em caso de alagamento, destelhamento ou desabamento provocado por chuva, o segurado deve procurar a agência bancária responsável pelo contrato de financiamento imobiliário.

Após a comunicação do sinistro, a seguradora encaminha uma equipe de engenheiros até o imóvel para produzir um laudo técnico. Para agilizar o processo, o segurado pode registrar os danos ao imóvel com fotos para anexar à documentação.

Em caso de alagamento, não ligue ou vire a chave do veículo

O gerente de oficina Kaio Cezar Godinho, 28 anos, recebeu nesta segunda-feira (15) seis veículos danificados pela enchente. Ele informou que os prejuízos dos proprietários podem variar de R$ 400 a R$ 10 mil. O mais importante é que o motorista nunca deve tentar ligar e nem virar a chave de um veículo que ficou submerso.

O caso mais grave é quando ocorre um calço hidráulico. “Em caso de alagamento, o condutor nunca deve ligar o veículo, porque pode danificar o motor e a parte elétrica. Em função disso, o correto é nem virar a chave, porque se a bateria for acionada, a parte elétrica pode ser comprometida”, informou.

O mecânico Giovanne Moreira Camargo, 25, teve trabalho dobrado. Além da manutenção das peças danificadas, ele desmontou os carros para retirar a sujeira acumulada. “Achamos duas cobras em veículos diferentes”, disse.

Para o corretor de seguros Walmar Conde Filho, 31, os veículos alagados que estavam parados em garagens ou nas ruas devem ser indenizados sem maiores problemas. O problema é se o carro estava em movimento. “A perícia tem como identificar se o carro estava em movimento e, essa situação, pode caracterizar uma imprudência do motorista, mas cada caso é um caso. O segurado também pode recorrer judicialmente, se não concordar com o posicionamento da seguradora. Somente a nossa companhia já registrou mais de 40 automóveis danificados”, afirmou.

Publicidade

2 Comentários

Publicidade
Publicidade