Publicidade
Terça-Feira, 25 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 18º C

Venda de veículos cai 15% durante greve dos caminhoneiros

O mês de maio acompanhava a tendência positiva dos últimos meses, até o impacto causado pelas paralisações

Folha de São Paulo
São Paulo (SP)
01/06/2018 às 21H48

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com a greve dos caminhoneiros, as vendas diárias de veículos, considerando todos os segmentos somados, foi 15% menor entre os dias 21 e 30 de maio, segundo dados da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). No mês, houve queda de 5,21% em relação a abril. Foram emplacadas 295 mil unidades no quinto mês do ano, contra 311 mil no mês anterior. 

Queda na venda de veículos também foi influenciada pela dificuldade de abastecimento de combustíveis - Marcelo Camargo/Agência Brasil/Divulgação/ND
Queda na venda de veículos também foi influenciada pela dificuldade de abastecimento de combustíveis - Marcelo Camargo/Agência Brasil/Divulgação/ND


Na comparação entre os meses de maio 2018 e o mesmo mês de 2017 (285,7 mil unidades), o setor automotivo registrou avanço de 3,21% no período. Já no acumulado do ano, houve alta de 14,29% para todos os setores somados. Nos primeiros cinco meses deste ano, foram emplacadas 1,4 milhão de unidades, contra 1,2 milhão entre janeiro e maio de 2017.

Os segmentos de automóveis e comerciais leves, somados, apresentaram queda de 7,17% em maio, em relação ao mês anterior. Foram emplacadas 195 mil unidades, contra 210 mil em abril de 2018. 

Se comparado com maio do ano passado (190 mil unidades), o resultado aponta aumento de 2,53%. No acumulado do ano, esses segmentos também cresceram, registrando alta de 16,2%. 

Segundo disse em nota o Presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, o mês de maio acompanhava a tendência positiva dos últimos meses, até o impacto causado pelas paralisações dos caminhoneiros. "Apuramos que, a partir do dia 25, o número de veículos emplacados começou a retrair. Este cenário ocorreu, entre outras razões, pela dificuldade de abastecimento de combustível, que fez com que os veículos, já prontos para entrega, não fossem conduzidos aos pátios dos Detrans para emplacamento".

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade