Publicidade
Sábado, 20 de Outubro de 2018
Descrição do tempo
  • 23º C
  • 18º C

UFSC autoriza intervenção da Polícia Militar em festas não autorizadas no campus

Segundo pesquisa, 90% dos roubos à mão armada na universidade ocorrem durante eventos irregulares

Fábio Bispo
Florianópolis

O controle de acesso ao campus da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) durante eventos não autorizados pela administração central ficará mais rigoroso. O reitor Luis Cancellier e o secretário de Segurança Institucional da universidade, Leandro Luiz de Oliveira, se reuniram com o comando da 1ª Região da Polícia Militar para discutir recomendações do MPF (Ministério Público Federal), que move inquérito civil para investigar a segurança na instituição.

:. Leia a íntegra da recomendação do MPF

No encontro ficou definida a intensificação das rondas da Polícia Militar e a intervenção quando for constatada a realização de eventos e festas não autorizadas. Desde o início da atual gestão, em maio deste ano, a presença da PM já vinha sendo testada no campus. “As rondas vão continuar. As recomendações reforçam aquilo que a UFSC já vem fazendo. Além disso, a realização de festas está sujeita a autorização tanto da reitoria como da Polícia Civil e Floram [Fundação Municipal do Meio Ambiente”, afirmou Oliveira. Ele diz ainda que a presença da PM já teria reduzido a incidência de eventos não autorizados.

Alessandra Oliveira/ND
Após as festas durante as madrugadas, campus da UFSC amanhece com muita sujeira


Segundo Oliveira, a poda de árvores e a ampliação das câmeras de vigilância têm ajudado a segurança no campus. Outras medidas, como restrição de carros nos fins de semana, já estão em vigor.

Para o comandante da 1ª Região da PM, coronel Renato Cruz Júnior, a intensificação das rondas deve acontecer de acordo com a disponibilidade do efetivo, mas reforçou que a corporação atuará firme nas festas. “Quando houverem festas não autorizadas vamos intervir”, declarou.

O último registro de violência em festas ocorreu no dia 3 de junho deste ano, durante evento do CALJ (Centro Acadêmico Livre de Jornalismo), que acabou com assalto e um estudante ferido. Na época, os estudantes relataram dificuldades para organizarem eventos dentro dos termos exigidos pela reitoria.

MPF dá prazo de 30 dias para implantação das ações

O procurador da República Carlos Augusto de Amorim Dutra, autor da recomendação, sustenta que diversos “fatos criminosos” ocorrem no campus, especialmente quando há eventos ou festas não autorizadas pela universidade. Dados coletados pela Assessoria de Pesquisa e Análise da Procuradoria da República em Santa Catarina, em conjunto com o Deseg (Departamento de Segurança) da UFSC, mostram que 90% dos roubos à mão armada no campus acontecem durante eventos não autorizados.

O MPF deu prazo de 30 dias para que a universidade apresente as medidas de segurança que serão adotadas e propôs que a instituição busque apoio da PM para atuar no campus, cobrando que a universidade “passe a exercer controle mais rigoroso quando da constatação de realização de festas/eventos não autorizados no interior do campus, inclusive com a solicitação de auxílio policial (Polícia Militar e/ou Federal”. A recomendação foi encaminhada pelo procurador à reitoria no último dia 22.

A UFSC também deverá divulgar amplamente a realização dessas ações para informar a comunidade universitária sobre a necessidade de prévia anuência da administração para a realização de quaisquer eventos no interior da universidade.

Policiais terão acesso a equipamentos da universidade

Também ficou acordado a elaboração de um termo de cooperação entre UFSC e PM para autorizar policiais da corporação a utilizarem espaços como ginásio de esportes, academias de ginásticas e piscina. Oliveira informou que deverá ser firmado um protocolo de intenções, que deverá prever a implementação de ações integradas entre a Segurança do campus e PM.

“A universidade ficou encarregada de elaborar uma minuta e nos apresentar”, afirmou o comandante da 1ª Região da PM. Se cumprido, o acordo deve abrir as portas do campus para policiais que atuam em Florianópolis. 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade