Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Tornado é descartado e Epagri confirma que Chapecó foi atingida por microexplosão

Fenômeno é semelhante a um tornado e pode registrar rajadas de vento de 100 km/h

Beatriz Carrasco
Florianópolis

A Epagri/Ciram confirmou, nesta sexta-feira (20), que a região rural de Chapecó foi atingida na quinta-feira (19) por um fenômeno chamado microexplosão, e não por um tornado. A conclusão foi feita com base em fotos e vídeos registrados na área. A microexplosão, também conhecido como microburst, pode registrar rajadas de vento de 100 km/h, assim como um tornado mais fraco do tipo F0, conforme escala a Fujita.

Epagri Ciram/Divulgação
Chapecó foi uma das cidades mais afetadas pelas tempestades de quinta no Estado

 

Segundo a meteorologista Gilsânia Cruz, quando se trata de um tornado, o vento forma uma nuvem em funil em direção ao solo, enquanto a microexplosão é caracterizada por uma forte rajada de vento. Os ventos que provocaram destruições em várias partes de Santa Catarina na quinta superaram os 70km/h, de acordo com a Epagri.

José Boiteux, cidade do Vale do Itajaí, foi onde as rajadas chegaram mais intensas, entre as 18h e 21h, com ventos a 78km/h. Em Xanxerê, os ventos atingiram 74km/h e em Chapecó, 72km/h.

As tempestades severas são comuns no Sul do Brasil, especialmente na primavera e no verão, explica a Epagri. As microexplosões são frequentes, enquanto os tornados representam apenas 1% das tempestades severas observadas na região.

Vendavais atingem centenas no Estado

O relatório mais recente da Defesa Civil, da tarde desta sexta, mostra que centenas de pessoas em Santa Catarina foram atingidas pelos vendavais de quinta. A cidade mais prejudicada foi Caxambu do Sul, com 240 afetados por enxurrada (40 casas) ou ventos fortes (20 casas).

Chapecó também sofreu com os efeitos do fenômenos, e até esta manhã os registros mostravam 20 imóveis destelhados e quatro totalmente destruídos. Quatro pessoas tiveram ferimentos. 

Em Planalto Alegre, na localidade de Linha Karoba, cinco casas foram destelhadas e três aviários ficaram totalmente destruídos, enquanto outros seis tiveram danos parciais. Caxambu do Sul teve 40 casas alagadas e 20 destelhadas.

Um hospital de Treze Tílias também perdeu boa parte de seu telhado e o interior da unidade ficou alagado. O vento também destruiu pelo menos dez residências, lanchonetes e propriedades rurais. 

Fim de semana de sol

Apesar das ocorrências de quinta, a previsão do tempo não indica novos temporais com fortes rajadas de vento para esta sexta em Santa Catarina, afirmou o meteorologista Marcelo Martins, da Epagri. De acordo com o Climaterra, por sua vez, as nuvens carregadas que provocaram as tempestades em cidades do Oeste,  Meio-Oeste e Norte do Estado já se deslocaram para outras regiões do país, como São Paulo e Paraná. A previsão para o final de semana é tempo bom, com pouca possibilidade de chuva.

Flávio Tin/ND
Fim de semana deve ser de tempo bom em Florianópolis

 

Segundo o engenheiro agrônomo Ronaldo Coutinho, esta sexta terá alternância entre períodos nublados e de sol com poucas nuvens, principalmente na região da Capital. “Há uma chance de chuva, mas pequena. Se acontecer, será entre a tarde e a noite”, comentou. As temperaturas tendem a cair ao longo do dia e Florianópolis poderá marcar 30°C de máxima e 16°C de mínima, à noite.

Para o sábado (21), a tendência continua com um ar frio e seco e boas aberturas de sol. As temperaturas, no entanto, continuarão mais amenas. Florianópolis poderá marcar entre 12°C e 14°C de mínima e 24°C de máxima. No entanto, pontos do alto da Serra poderão ter geada fraca e temperaturas entre 1°C e 4°C.

O domingo (22) também vai estar com temperaturas amenas pela manhã e mais quente no meio da tarde. De acordo com Coutinho, há chance de chuvas isoladas entre a tarde e a noite. Florianópolis ficará com temperaturas entre 13°C e 27°C. “Quem deseja ir à praia no final de semana vai aproveitar mais o sol, já que o mar ainda vai estar gelado”, comenta o engenheiro agrônomo.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade