Publicidade
Terça-Feira, 25 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 18º C

Michel Temer prepara agenda de inaugurações para eleição

A estratégia, além de uma tentativa de aumentar a taxa de popularidade de apenas 6%, é construir uma narrativa de que o presidente deixou um legado para o país

Folha de São Paulo
Brasil
25/03/2018 às 15H39

GUSTAVO URIBE E TALITA FERNANDES

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - No momento em que tenta viabilizar uma candidatura à reeleição, o presidente Michel Temer prepara uma agenda de inaugurações e anúncios até julho, prazo final permitido pela legislação eleitoral.

Temer na abertura oficial do 8º Fórum Mundial da Água no Itamaraty - Marcelo Camargo/Agência Brasil
Michel Temer - Marcelo Camargo/Agência Brasil



O "pacote eleição", apelido dado por assessores e auxiliares presidenciais, inclui o reajuste do Bolsa Família, a entrega de moradias populares, a inauguração de terminais em aeroportos e a visita a um hospital já em funcionamento.

As iniciativas têm sido reunidas pela Casa Civil, que recebeu da equipe ministerial sugestões de eventos ou cerimônias para que o presidente participe até a véspera da disputa presidencial.

O emedebista já admite publicamente que pretende disputar um novo mandato. A legislação eleitoral veda a presença de candidatos a inaugurações de obras públicas após 7 de julho, três meses antes da realização do pleito.

A ideia é que ele faça a partir de agora pelo menos uma viagem por semana pelo país para a entrega de empreendimentos e desloque eventos ministeriais para o Palácio do Planalto, onde ele possa assumir protagonismo.

A estratégia, além de uma tentativa de aumentar a taxa de popularidade de apenas 6%, é construir uma narrativa de que o presidente deixou um legado para o país e criar elementos e imagens que possam ser citados como realizações em uma futura propaganda eleitoral.

O esforço teve início na última sexta-feira (23), quando ele viajou a Xique-Xique, na Bahia, para inaugurar projeto de irrigação do Baixio-Irecê. O canal já estava pronto havia quatro anos, antes de o emedebista assumir o Planalto, só não funcionava.

Até o início de abril, Temer também anunciará um reajuste superior a 5% no Bolsa Família, programa de transferência de renda criado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O aumento é dado após o benefício não ter tido incremento no ano passado.

'FALCATRUAS'

No pacote de inaugurações, está prevista também a entrega da última estação de bombeamento do Eixo Norte da Transposição do São Francisco. O empreendimento foi iniciado pelo governo petista e o trecho em questão já estava mais de 80% concluído quando o presidente assumiu o Palácio do Planalto.

Temer pretende também entregar moradias populares do Minha Casa, Minha Vida. No ano passado, a meta era firmar 610 mil contratos, mas foram realizados apenas cerca de 500 mil.

Na lista de anúncios até julho, há ainda centros esportivos, pavimentações de estradas, terminais de passageiros no Acre e no Espírito Santo e visita ao Hospital Dom Tomás, em Petrolina, que funciona desde 2016.

Temer decidiu disputar a reeleição em uma tentativa de defender a sua biografia do que classifica como "pecha de falcatruas". Em quase dois anos no cargo, ele foi denunciado duas vezes pela PGR (Procuradoria-Geral da República) por corrupção passiva, obstrução da Justiça e organização criminosa. As acusações estão paralisadas por decisão da Câmara dos Deputados e só podem ser retomadas quando ele deixar o cargo.

Temer teve recentemente seus sigilos bancário e fiscal quebrados por determinação do STF (Supremo Tribunal Federal), no inquérito que trata de suposto favorecimento a empresas do setor portuário, e enfrentou a prisão de três aliados: Geddel Vieira Lima, Eduardo Cunha e Rodrigo Rocha Loures, além da existência de acusações de corrupção que pesam contra seus principais ministros, Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil).

PALANQUE

Como parte da estratégia de construir a narrativa de que deixou um legado, o presidente vai aproveitar a data em que completa dois anos à frente do governo federal, em maio, para um evento que servirá como uma espécie de palanque político.

A ideia é promover uma cerimônia no Palácio do Planalto, divulgar uma campanha publicitária e apresentar um balanço das realizações. A relação do que foi feito pelo emedebista deve ser organizada em um documento, que será posteriormente distribuído à base aliada na tentativa de convencê-los a defender o projeto do presidente.

Segundo pesquisa Datafolha divulgada em janeiro, Temer tem 1% das intenções de voto. No mesmo levantamento, 6% dos entrevistados consideram o governo ótimo ou bom e 70% o avaliam como ruim ou péssimo.

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade