Publicidade
Terça-Feira, 13 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 22º C

Suspeito de participar de chacina em hotel de Canasvieiras é preso no Rio Grande do Sul

Homem foi capturado em Santana do Livramento, cidade gaúcha que faz fronteira com o Uruguai

Colombo de Souza
Florianópolis
10/08/2018 às 19H50
Hotel onde aconteceu a chacina, em Canasvieiras - Karina Koppe/RICTV/ND
Hotel onde aconteceu a chacina, em Canasvieiras - Karina Koppe/RICTV/ND

Um dos suspeitos de participar da chacina no hotel Venice Beach, em Canasvieiras, Florianópolis,  ondecinco pessoas foram brutalmente assassinadas, sendo quatro da mesma família e um empregado, foi capturado no Rio Grande do Sul, nesta sexta-feira (10). O homem foi localizado em Santana do Livramento, No Rio Grande do Sul. A cidade fica na fronteira com o Uruguai. 

Segundo a delegada Ana Tarouco, o suspeito teria viajado para com a família para a Fronteira da Paz, onde estaria morando em Rivera, no Uruguai.

O trabalho conjunto entre as polícias catarinense, gaúcha e do paíz vizinho foram pontos destacados pela delegada gaúcha na incursão a um dos autores do crime. O delegado da Homicídios de Florianópolis, Ênio de Oliveira Matos, disse que vai ao Rio Grande do Sul na  próxima semana providenciar o interrogatório do preso, que deve permanecer na cidade gaúcha.

As vítimas eram Paulo Gaspar Lemos, 78, os filhos Leandro Gaspar Lemos, 44, Paulo Gaspar Lemos Junior, 51 (especial) e Katya Gaspar Lemos, 50, e o funcionário Ricardo Lora, 39. A família que era dona do apart hotel e dois empregados foram rendidos por três homens encapuzados, sendo que um estava armado, na tarde de 5 de julho.

Eles foram feitos reféns das 16h até a meia-noite, quando morreram por asfixia. Apenas um dos empregados, que era uma mulher, conseguiu escapar pouco antes do horário das mortes. As vítimas tiveram braços e pernas amarrados e foram distribuídas em diferentes cômodos do estabelecimento. Os corpos foram embebedados por gasolina, o que indicou, segundo a perícia, que sofreram tortura psicológica. 

Recados deixados nas paredes do hotel davam conta de que a morte teria sido por vingança decorrente de dívidas. Membros da família respondiam a processos que envolviam questões trabalhias e até estelionato, sendo que a maior parte dos casos foi registrado em São Paulo.

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade