Publicidade
Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 20º C

Startup de Florianópolis é finalista de prêmio em Portugal

A empresa da Capital desenvolveu um equipamento fotovoltaico híbrido que gera energia para aquecer água de torneiras e chuveiros

Redação ND
Florianópolis
01/11/2016 às 15H44

O projeto inovador de uma equipe de Florianópolis, em Santa Catarina, foi selecionado como finalista da primeira edição do Prêmio EDP Open Innovation, e agora vai a Portugal vivenciar um processo de desenvolvimento e aceleração. A startup Soluz foi escolhida como uma das cinco representantes do país que estarão na fase final da disputa competindo pelo prêmio de € 50 mil. Ao mesmo tempo, receberão apoio do Ecossistema de Inovação do grupo EDP para aperfeiçoarem sua ideia de melhoria para o setor elétrico.

A startup é formada pelo francês Loïc Tachon, que mora no Brasil há quatro anos, e os brasileiros Henrique Hipólito e Mariana Roncale  e se destacou com um protótipo de placa solar híbrida que ao mesmo gera energia e aquece água para o uso em torneiras e chuveiros. Na prática, o projeto consiste de um sistema hidráulico que pode ser acoplado em qualquer tipo de equipamento fotovoltaico para resfriar os componentes e evitar o sobreaquecimento. A água utilizada nesse processo, além de permanecer limpa, fica aquecida, e pode ser aproveitada para uso doméstico.

O grande objetivo da tecnologia é otimizar a operação dos painéis, reduzindo os danos causados pela temperatura excessiva e eliminando a necessidade de instalação de diversas tecnologias fotovoltaicas e coletores térmicos em um mesmo telhado. Assim, com menos equipamentos o consumidor consegue alcançar os mesmos resultados.

“Para nós, o Open Innovation será uma competição importante para ganharmos visibilidade, tanto perante à EDP como frente ao setor energético. Temos certeza de que a troca de experiência com outros profissionais será crucial para absorvermos conhecimento de quem já passou pelos mesmos desafios que enfrentamos agora”, aponta Loïc, o CEO da startup. “Além disso, saindo um pouco da nossa atividade diária, poderemos focar esforços no planejamento do modelo de negócio e da estratégia comercial.”

Com o objetivo de incentivar o empreendedorismo, a EDP, empresa que atua nas áreas de geração, distribuição, comercialização e soluções de energia, criou o EDP Open Innovation a partir da fusão dos prêmios EDP Inovação e Energia de Portugal. Além de conceder o devido destaque para projetos que podem mudar o mercado nos próximos anos, a competição serve também como porta de entrada para que as boas propostas possam acessar o programa EDP Starter, conjunto de iniciativas que promove a transformação de projetos iniciais em modelos de negócio estruturados e financiados.

Ao todo, quinze equipes do mundo todo competirão pelo prêmio. O vencedor do concurso será anunciado no dia 2 de novembro, após todos os integrantes do programa de aceleração apresentarem as suas propostas a uma plateia composta por colaboradores da EDP, investidores e convidados. Mesmo no caso de não ganharem o prêmio, os participantes com projetos de interesse também poderão ser convidados a integrar o programa EDP Starter e até mesmo receberem recursos do EDP Ventures, fundo global de investimento em startups. 

“O setor elétrico está a passando por uma forte transformação e o prêmio EDP Open Innovation tem como objetivo, por um lado contribuir para o desenvolvimento do empreendedorismo na área de energia, e por outro identificar novas ideias que poderão ser desenvolvidas e/ou adoptadas pela EDP no futuro” explica Diretor de Inovação da companhia, João Brito Martins.

 

Próximas etapas

As 15 equipes finalistas serão beneficiadas pelo programa de aceleração do ecossistema para startups do grupo EDP em Lisboa durante todo o mês de outubro. Os custos de viagem e hospedagem em Portugal serão de responsabilidade da organização, limitados a dois integrantes por grupo. 

Na Europa, os times trabalharão na parceira Fábrica de Startups para aperfeiçoarem os seus projetos e terão contato com o método FabStart, que permite simular o produto no mundo real. Será uma oportunidade única para compartilharem experiências e aprimorarem os trabalhos, ao mesmo tempo em que contam com o auxílio de sessões periódicas de mentoria com profissionais renomados das áreas de interesse.

Os três grupos com o melhor desempenho ao longo de toda a competição, segundo critérios estabelecidos pelo comitê organizador da disputa, ainda serão levados para exporem suas ideias no stand da EDP no Web Summit, maior e mais importante evento de startups em tecnologia da Europa.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade