Publicidade
Sábado, 17 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Silvio Dreveck renuncia ao cargo e Aldo Schneider é o novo presidente da Assembleia

Sessão foi marcada pela leitura da mensagem anual do governador Raimundo Colombo

Altair Magagnin
Florianópolis
07/02/2018 às 21H05

A Alesc (Assembleia Legislativa de Santa Catarina) iniciou ontem o trabalho de 2018, com a leitura da mensagem do governador Raimundo Colombo (PSD) e a mudança na presidência da Casa. O então vice-presidente Aldo Schneider (PMDB) assumiu o comando da Casa após a renúncia de Silvio Dreveck (PP), que foi eleito para a vice-presidência. A mudança foi alinhavada em acordo entre os partidos e deputados, no início do mandato de Dreveck, em 2017.

Silvio e Aldo fizeram transição de cargo - Luis Gustavo Debiasi/Agência AL/ND
Silvio e Aldo fizeram transição de cargo - Luis Gustavo Debiasi/Agência AL/ND



O governador deixou de ler a mensagem por escrito para proferir um discurso aos parlamentares. No último ano de mandato, às vésperas de renunciar para concorrer ao Senado, Colombo agradeceu à parceria estabelecida com os deputados e enalteceu conquistas não só em 2017, mas nos oito anos em que esteve à frente do Estado.

Resultados positivos nas temporadas de verão, o aumento das exportações, da safra e da produtividade, além do avanço no setor tecnológico permitiram que Santa Catarina encerrasse o ano com bons indicadores. “Santa Catarina foi o primeiro lugar na geração de empregos em 2017. Também foi o Estado que teve o maior crescimento do PIB, de 4,3%, enquanto que o PIB do país ficou em torno de 1%”, afirmou.

Colombo também atribuiu os bons resultados à reforma da Previdência estadual, ao não aumento de impostos e à manutenção dos incentivos fiscais. “A economia começa a dar resultados. Janeiro teve a maior receita da história, sinalizando claramente a retomada. A [empresa] Parati está investindo R$ 200 milhões, a General Motors está investindo R$ 1,2 bilhão”, comemorou.

Entre os desafios, citou que a crise exigiu mais da Saúde, Educação e, em especial, da Segurança Pública. Ainda assim, enalteceu que o Estado fez a sua parte, e que a dificuldade é nacional. “As polícias Militar, Civil e os Bombeiros deram e estão dando uma grande contribuição, mas a sociedade quer e deseja mais”, disse Colombo, ao comparar o efetivo de cidades catarinenses com municípios paranaenses e gaúchos. “Mafra tem 91 policiais, Rio Negro (PR) 15; Joinville tem 797, Caxias do Sul apenas 429”.

Como mensagem final, deixou o pedido de união pelo Estado, em busca da recuperação efetiva. “Vamos continuar juntos, de mãos dadas. O Brasil precisa da nossa maturidade, da nossa prudência e patriotismo, vamos construir uma grande ponte para a transição de um Brasil que ficou velho para um novo Brasil”, completou. 

Dreveck destaca produção legistativa e economia de recursos 

O agora vice-presidente da Alesc, Silvio Dreveck, cumpriu o acordo feito em nome do deputado Aldo Schneider e renunciou ao cargo logo após a leitura da mensagem do governador. Em eleição para suprir a vacância do cargo de vice, Dreveck foi eleito com votos de 38 dos 40 deputados que estavam presentes em plenário. No último discurso como presidente, Dreveck fez um balanço do ano que ficou no comando da Casa e reconheceu a afinidade com o deputado Aldo. “Tenho certeza que continuaremos a ser grandes parceiros”, disse.

Dreveck destacou que a produção legislativa e a economia de recursos públicos foram seus principais legados no cargo. “Assumimos a Presidência no ano passado com o compromisso de reduzir o número de vetos em tramitação e votar os projetos de interesse do governo e da sociedade catarinenses. Avançamos bastante nessa questão”, lembrou.

O deputado apontou a aprovação de projetos importantes como o marco regulatório das PPPs (Parcerias Público-Privadas), a extinção de empresas públicas deficitárias, a renegociação das dívidas do Estado com a União e o fim da aposentadoria dos ex-governadores.  Ao todo, foram 436 matérias votadas em plenário e 94 vetos apreciados. Em economia, a Alesc poupou R$ 85 milhões.

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade