Publicidade
Terça-Feira, 18 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 16º C

Setor de serviços tem queda de 1,9% em janeiro, diz IBGE

Os segmentos de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio foram alguns dos que mais tiveram recuos em relação ao mês passado

Folha de São Paulo
São Paulo (SP)
16/03/2018 às 22H52

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O setor de serviços recuou 1,9% em janeiro deste ano, na comparação com dezembro de 2017 (série com ajuste sazonal), informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira (16). A retração vem depois de altas em novembro (1,0%) e dezembro (1,5%). Em relação a janeiro do ano passado (série sem ajuste), o volume de serviços caiu 1,3%. A taxa acumulada em 12 meses ficou em -2,7%.

Por atividades, na série com ajuste, os principais recuos em relação a dezembro ocorreram nos segmentos de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (3,0%) e dos serviços profissionais, administrativos e complementares (1,4%), enquanto Outros serviços avançaram 3,8%.

Em relação a janeiro de 2017, a queda se concentrou nos segmentos de serviços de comunicação e informação (5,0%); serviços profissionais, administrativos e complementares (3,3%); e serviços prestados às famílias (2,9%). Em contrapartida, no período houve crescimento nos segmentos de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (4,0%) e em outros serviços (2,5%).

No cenário regional, na comparação com dezembro de 2017, as quedas que mais contribuíram para a redução no volume de serviços foram em São Paulo (-1,4%), Rio de Janeiro (2,7), Santa Catarina (7,6%), Rio Grande do Sul (2,4%) e Distrito Federal (2,1%). Em contrapartida, as principais influências positivas vieram do Ceará (19,4%) e da Bahia (4,3%).

Na comparação com janeiro de 2017, sem ajuste sazonal, Rio de Janeiro (3,9%), Distrito Federal (6,1%), Minas Gerais (2,4%), Pernambuco (5,7%) e Ceará (6,0%) apresentaram as quedas mais intensas. São Paulo (0,6%), por outro lado, apresentou a expansão mais relevante (0,6%).

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade