Publicidade
Quarta-Feira, 19 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 17º C

Secretário de Temer critica 'tanta importância' dada ao massacre no AM

Ao comentar as mortes, ele ainda afirmou que "tinha que matar mais" e que "tinha que fazer uma chacina por semana"

Folha de São Paulo
Brasília (DF)
06/01/2017 às 23H00
No Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) havia 1.224 homens, o triplo da capacidade (454) - Divulgação/Secretaria de Administração Penitenciária do Amazonas
No Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) havia 1.224 homens, o triplo da capacidade (454) - Divulgação/Secretaria de Administração Penitenciária do Amazonas


GUSTAVO URIBE

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O secretário nacional de Juventude, Bruno Júlio (PMDB-MG), criticou a repercussão do massacre nos presídios de Manaus em que 60 pessoas morreram.

Segundo ele, é um "acerto de contas de bandidos". "Eu fico triste porque não estão dando tanta importância para as pessoas de bem que morrem todo dia", afirmou nesta sexta. A Secretaria de Juventude é vinculada à Secretaria de Governo, da Presidência da República.

De acordo com "O Globo", o secretário declarou ao site do jornal, ao comentar a morte dos presos, que "tinha que matar mais". "Tinha que fazer uma chacina por semana", afirmou, segundo o jornal.

À reportagem, ele declarou que sua opinião foi "deturpada". "Eu não disse a questão da chacina, óbvio que não disse", afirmou.

Bruno Júlio é filho do deputado federal Cabo Júlio (PMDB-MG). Foi nomeado pelo presidente Michel Temer ao cargo no Planalto por meio de indicação da bancada mineira do PMDB.

Massacres

Quatro dias após a morte de 60 detentos em duas penitenciárias de Manaus, outros 31 presos foram assassinados na madrugada desta sexta (6), desta vez na maior penitenciária de Roraima.

São as maiores chacinas em presídios desde o massacre do Carandiru, em 1992, quando uma ação policial deixou 111 presos mortos na casa de detenção, em São Paulo.

Nesses seis primeiros dias de janeiro foram registradas 93 mortes em presídios no Brasil. Esse número representa cerca de 25% do total de mortes registradas em todo o ano passado (372).

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade