Publicidade
Sábado, 17 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Santa Catarina fecha postos de trabalho em julho, revelam dados do Ministério do Trabalho

Este ano a culpa foi da indústria, que perdeu 1.593 vagas, e o setor de serviços evitou um problema ainda pior

Folha de São Paulo
São Paulo (SP)
22/08/2018 às 21H35

A economia brasileira criou 47.319 postos de trabalho com carteira assinada no mês de julho. O resultado é o melhor para o mês em seis anos, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados nesta quarta-feira (22) pelo Ministério do Trabalho.

Carteira de trabalho - EBC/Divulgação/ND
Em Santa Catarina foram fechadas 241 em julho de 2018 - EBC/Divulgação/ND


Para Santa Catarina o mês não tem sido bom desde 2014. Em 2018 foram fechadas, no total, 241 vagas. Em 2017 haviam sido criadas 128 vagas no total, no mês. Mas a perda já passou de 5 mil vagas, no auge da crise, em 2015. Nesse ano de 2018 a culpa foi da indústria, que perdeu 1.593 vagas. O setor de serviços foi o que evitou que o problema fosse maior e abriu 1.384 vagas.

No Brasil, em julho, foram abertas 1.219.187 novas vagas. Já o número de demissões foi de 1.171.868. A criação de postos de trabalho com carteira assinada foi puxada pela agropecuária, com 17.455 novas vagas. O segundo setor que mais gerou empregos foi o de serviços, com 14.548 vagas. Construção civil, indústria de transformação, indústria extrativa e os serviços industriais de utilidade pública também criaram mais empregos que fecharam.

Ficaram no negativo os setores do comércio, com 249 postos a menos, e o de administração pública, com 1.528 vagas encerradas.

O estado que mais gerou empregos foi São Paulo, com 15,3 mil novos postos. Em seguida, aparece Minas Gerais, com geração positiva de 10,3 mil novos postos de trabalho. No Pará foram gerados 3,5 mil empregos formais. O Rio Grande Sul (-2.657) foi o estado que mais demitiu do que contratou no período.

Em julho as empresas abriram 3.399 postos de trabalho intermitente. Nesse tipo de contratação não há período fixo estabelecido para o trabalho e o funcionário é pago pelo número de horas ou dias que for convocado pela empresa. A maioria dos intermitentes é homem (74,3%) e 90,8% têm até 49 anos.

No caso do trabalho parcial (contratos com jornada de até 30 horas), foram abertas 813 vagas no período. A maioria, 61,6% para mulheres.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade