Publicidade
Domingo, 23 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Restauro do Cine Teatro de Tijucas poderá custar R$ 2 milhões

FCC trabalha no projeto de recuperação do imóvel, mas prioridade são ações ações para evitar a queda da estrutura

Everton Palaoro
Tijucas
14/05/2018 às 11H04
A parte que sobrou do telhado do antigo Cine ameaça a ruir a qualquer momento - Luiz Junior/Divulgação
A parte que sobrou do telhado do antigo Cine ameaça a ruir a qualquer momento - Luiz Junior/Divulgação


O restauro do prédio do antigo Cine Teatro de Tijucas, na Grande Florianópolis, deve custar R$ 2 milhões. A estimativa é da diretora de Patrimônio da FCC (Fundação Catarinense de Cultura), Vanessa Pereira. Entretanto, antes de sonhar com a recuperação do imóvel construído em 1929, a prioridade é conseguir escorar as paredes para evitar a queda da estrutura. Enquanto uma equipe de engenheiros elabora o projeto da recuperação, a diretora de patrimônio busca R$ 70 mil para escorar o esqueleto e desmontar o que sobrou do telhado.

Há um mês a FCC contratou uma empresa para elaborar o projeto de recuperação do imóvel, que é tombado pelo patrimônio histórico de Santa Catarina. Ao começar os trabalhos, os técnicos solicitaram a ação emergencial, além de colocar tapumes para impedir a entrada de pessoas não autorizadas no local. Os orçamentos foram feitos e agora depende de aprovação do Comitê Gestor.

O Cine Teatro foi o centro cultural de Tijucas nas décadas 20 e 30 do século passado, tendo uma das salas mais importantes de Santa Catarina. Filmes mudos da época eram acompanhados pelos filhos de Manoel Cruz, que tocavam violino e piano. Fechou por volta de 1935. A família Silva o adquiriu na déca­da de 50 e implantou no local um engenho de arroz, que exportava o produto para São Paulo.

O prédio do Cine Teatro virou ponto de anda­rilhos e usuários de drogas. Quase todas as tábuas que formavam o assoalho foram furtadas. O telha­do também está bastante deteriorado. O casarão passou por inventário e está dividido entre seis irmãos, o que dificultou ainda mais um acordo sobre o destino do patrimônio.

A discussão em torno da propriedade do imóvel é apontada como principal causa do abandono do prédio. Segundo a diretora de Patrimônio da FCC (Fundação Catarinense de Cultura), Vanessa Pereira, a Prefeitura de Tijucas tem interesse em assumir o prédio. Contudo, enquanto a justiça não decidir quem ficará responsável, o restauro fica mais longe.

O imóvel recebeu recursos em 1996 e foi restaurado no final da década. Contudo, como não foi dado um uso, o velho Cine Teatro voltou a ser alvo de vandalismo, chegando na situação atual com risco das paredes ruirem

Custo depende do uso final do imóvel

O valor de R$ 2 milhões é apenas uma estimativa. O custo final do restauro do antigo Cine Teatro depende de quem for declarado responsável pelo prédio. Por exemplo, se a Prefeitura de Tijucas for administrar e quiser colocar o teatro em funcionamento, deverá seguir uma série de regras definidas pela Fundação Catarinense de Cultura.

“Esse valor é alto devido a complexidade do projeto. Existem muitas partes em madeira, o que tem um custo alto”, explicou Vanessa Pereira.
A diretora da fundação destacou ainda que o projeto de restauro precisa ser avaliado com cautela, ainda mais por se tratar da aplicação de recursos do estado em um patrimônio que é privado.

>> Prédio do antigo Cine Teatro, em Tijucas, ameaça desabar e é interditado

Publicidade

2 Comentários

Publicidade
Publicidade