Publicidade
Quinta-Feira, 22 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 19º C

PT mantém Lula, barrado pelo TSE, em propaganda eleitoral no rádio e na TV

Na noite de sexta-feira, o TSE decidiu que Lula pode aparecer na propaganda do partido, mas não como candidato

Folha de São Paulo
São Paulo
01/09/2018 às 15H43

SÃO PAULO, SP, E BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O primeiro dia de propaganda eleitoral no rádio e na TV dos candidatos à Presidência da República, transmitido neste sábado (1º), teve Luiz Inácio Lula da Silva como candidato do PT, mesmo após o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) barrar a candidatura do ex-presidente com base na Lei da Ficha Limpa.

A sessão extraordinária da corte durou 11 horas e terminou perto das 2h. Por 6 votos a 1 os ministros decidiram que o petista não pode candidato por ter sido condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro por órgão colegiado. O TSE também decidiu que Lula pode aparecer na propaganda do partido, mas não como candidato.

Nos dois blocos da propaganda no rádio (às 7h e ao meio-dia) e no primeiro bloco da TV (às 13h), a propaganda da chapa petista seguia com Lula. Isso, porém, não indica que houve desrespeito à decisão da corte, uma vez que as emissoras responsáveis por gerar o programa recebem o material a partir das 7h e é necessário no mínimo seis horas de antecedência para que o material seja transmitido.

Advogado de Lula na área eleitoral, Luiz Fernando Casagrande afirmou à Folha de S.Paulo que não houve tempo de trocar o material para atender à decisão do TSE.

No rádio, o programa do PT foi aberto com um alerta para a orientação do Comitê de Direitos Humanos da ONU, dizendo que ele poderia participar da disputa. "Lula é candidato a presidente, sim", afirmou o programa.

Haddad apareceu na propaganda como candidato a vice-presidente, dizendo que muitos imaginavam que o partido e o povo iriam abandonar Lula.

A voz do ex-presidente surge ao final, criticando cortes feitos por Temer e afirmando já ter mostrado que o Brasil pode ser melhor. "Acredito que juntos somos capazes de reconstruir esse país", diz.

Com a maior fatia do horário eleitoral, a campanha do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, teve como alvo a desconstrução de Jair Bolsonaro (PSL), que na propaganda teve tempo apenas para falar o nome da própria coligação.

Bolsonaro é colocado pelos tucanos como um "cowboy que atira", um político que age na base da "bala, da raiva e do ódio", além de ter votado contra a PEC das Domésticas, o que, segundo a campanha, mostra que ele tem algo contra os pobres.

Já o tucano, chamado pelo primeiro nome, é apresentado como o candidato que age "com a cabeça e o coração". A redução da taxa de homicídios e a ampliação da rede de tratamento do câncer foram as realizações destacadas de seus quatro mandatos como governador de São Paulo.

Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Henrique Meirelles (MDB) usaram o tempo diminuto para se apresentar a seus públicos-alvos. A candidata da Rede mirou as mulheres, enquanto Ciro focou nos endividados e desempregados. Ex-ministro de Temer, Meirelles buscou aproximar seu nome ao de Lula e se apresentar como o candidato capaz de resolver os problemas do país.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade