Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Provas de rua atrapalham a rotina e provocam atrasos no trânsito de Florianópolis

Segundo o chefe do departamento de trânsito da GMF, Erminézio Júnior Ribeiro, as alterações provocaram um atraso de 10 minutos nos deslocamentos. Surpresa com excesso de veículos nas primeiras horas

Redação ND
Florianópolis
03/06/2018 às 17H46

Domingo pela manhã, às 7h, a ponte Pedro Ivo Campos, que liga o Continente a Ilha de Santa Catarina, em Florianópolis, já registrava um congestionamento. Desta vez, a culpa não foi de um acidente de trânsito, de um caminhão estragado ou do grande fluxo pelo horário de trabalho, mas em função da realização da 1º Maratona Internacional Cidade de Florianópolis, que registrou mais de 12 mil inscritos. Enquanto alguns passageiros quase perderam os seus voos, outros motoristas quebraram a cabeça para chegar ao destino final pela terceira vez neste ano. Segundo o chefe do departamento de trânsito da GMF (Guarda Municipal de Florianópolis), Erminézio Júnior Ribeiro, as alterações provocaram um atraso de 10 minutos nos deslocamentos. O agente também se surpreendeu com o excesso de veículos nas primeiras horas da manhã.

Maratona em Florianópolis  - Daniel Queiroz/ND
Motoristas quebraram a cabeça para chegar ao destino final pela terceira vez neste ano - Daniel Queiroz/ND

Sem saber sobre a prova de rua, o motorista de aplicativo Hilário dos Santos passou trabalho para encontrar o caminho correto para chegar ao seu destino. Na Avenida Professor Henrique da Silva Fontes, que é o trecho final da Beira-Mar Norte, o motorista não sabia como acessar o bairro Santa Mônica. “Já peguei fila para cruzar a ponte e, agora, não sei por onde seguir. Falta mais profissionalismo na organização, porque deveria ter alguém explicando ou esse retorno deveria estar fechado”, lamentou Hilário, que tentou cruzar a Beira-Mar acessando a Rua Professora Maria Flora Pausewang.

Quem se deslocava do Continente em direção a Ilha enfrentou congestionamento das 6h às 8h, porque duas, das quatro faixas de rolamento, estavam fechadas para os corredores, assim como na ponte Colombo Salles. Além disso, os veículos foram direcionados para seguir pela Avenida Gustavo Richard até o acesso exclusivo para os ônibus, durante os dias normais, para a Avenida Paulo Lopes.

Os motoristas que seguiam em direção a Beira-Mar Norte tinham a opção da Avenida Mauro Ramos. Já quem tinha o Sul da Ilha ou o Aeroporto Internacional Hercílio Luz como destino teve que passar pela “estrada velha”, pelos bairros José Mendes, Saco dos Limões e Costeira. “Preciso chegar a um local ao lado do Shopping Iguatemi, mas não sei o que fazer”, comentou o motorista Maique Renan, que saiu do bairro Ingleses e também ficou perdido pela quantidade de acessos bloqueados.

A ponte Pedro Ivo Campos foi desobstruída, às 8h, e a Avenida Beira-Mar Norte, às 10h, segundo a GMF.

 

Maratona em Florianópolis  - Daniel Queiroz/ND
A ponte Pedro Ivo Campos foi desobstruída, às 8h, e a Avenida Beira-Mar Norte, às 10h - Daniel Queiroz/ND



Excesso de veículos pela manhã surpreende GMF

A 1ª Maratona Internacional Cidade de Florianópolis foi a terceira prova de rua nos últimos três meses em Florianópolis. De acordo com o chefe do departamento de trânsito da GMF, Erminézio Júnior Ribeiro, outras três provas estão previstas até o fim do ano. Ele informou que a prefeitura estuda eventos paralelos como vestibulares, concursos públicos e eleições para que as provas não tragam mais prejuízo ao cidadão. Mesmo assim, o número de veículos surpreendeu os agentes da GMF.  

Neste domingo (3), o tempo de atraso no deslocamento foi de 10 minutos. “Ficamos surpresos com a quantidade de veículos, das 6h às 8h, tanto no sentido da Ilha para o Continente como vice-versa. Acredito que o aumento no movimento ocorreu em função de ser o primeiro fim de semana sem o reflexo da paralisação dos caminhoneiros. Alguns passageiros que seguiam ao aeroporto reclamaram das alterações, mas pelo horário informado por eles, faltou planejamento por parte dessas pessoas”, comentou Júnior.

Durante a prova nesse domingo, a Beira-Mar Continental foi totalmente interditada. O mesmo aconteceu com as faixas principais da Avenida Beira-Mar Norte, a Via Expressa Sul e a Avenida Gustavo Richard. Já as pontes Colombo Salles e Pedro Ivo Campos tiveram duas pistas fechadas cada.

A GMF trabalhou com 35 agentes na manhã de domingo. “Deveremos ter mais três provas até o fim do ano. Duas devem acontecer em agosto e a última entre os meses de outubro e setembro. Para a liberação das datas, a prefeitura consulta a realização de vestibulares, concursos e eleições. Isso porque em 2017, uma prova foi realizada na data de um concurso público e tivemos problemas. A divulgação sobre as mudanças no trânsito são divulgadas nas mídias sociais, imprensa e com faixas pela cidade”, explicou.   

Maratona em Florianópolis  - Daniel Queiroz/ND
Durante a prova nesse domingo, a Beira-Mar Continental foi totalmente interditada - Daniel Queiroz/ND


Organização prioriza áreas planas e de belezas naturais

O diretor de marketing Guilherme Accursio, da Norte Marketing Esportivo, que é responsável pela organização da 1ª Maratona Internacional Cidade de Florianópolis, informou que dos 12 mil inscritos, cerca de 10 mil pessoas participaram efetivamente da prova. Desse total, 80% dos corredores são de outros estados e de diferentes países. A empresa alega que faz um estudo para não impactar no trânsito da cidade.

A maioria dos atletas, que não é de Santa Catarina, é de São Paulo. “Temos atletas de todas as regiões e estados do país. Além disso, um grande número de corredores da Argentina, Uruguai e Colômbia. O percurso é estabelecido por uma equipe de inteligência, que prioriza áreas planas para aumentar a performance dos atletas e, além disso, usamos e abusamos das belezas naturais de Florianópolis. Mesmo assim, a decisão final é tomada em conjunto com a prefeitura”, esclareceu o organizador da prova.

Diferente das outras provas realizadas neste ano, a Maratona Internacional de Florianópolis foi a única a utilizar as pontes de acesso à Ilha e ao Continente. A prova foi dividida em três categorias: 42 km, 21 km e 7 km.

Publicidade

11 Comentários

Publicidade
Publicidade