Publicidade
Segunda-Feira, 24 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 19º C

Protesto de pescadores fecha duas pistas da avenida Beira-Mar Norte, em Florianópolis

Manifestação pela construção do trapiche no bairro João Paulo contou com 26 embarcações e cerca de 130 pessoas

Michael Gonçalves
Florianópolis

Pescadores do bairro João Paulo, em Florianópolis, fecharam duas pistas da Avenida Beira Mar Norte, nas proximidades da casa noturna Scuna, durante 15 minutos, das 14h50 às 15h05, nesta terça-feira (26). Cerca de 130 pessoas, entre pescadores e familiares, realizaram uma manifestação pela construção do trapiche do bairro João Paulo. O processo está parado na SPU (Superintendência do Patrimônio da União) há três meses, segundo os manifestantes. Eles partiram da comunidade em 26 embarcações e soltaram foguetes até o trapiche entre as pontes Hercílio Luz e Colombo Salles.

Flávio Tin/ND
Pescadores protestaram na tarde desta terça-feira, em Florianópolis

 

O presidente do sindicato dos pescadores do João Paulo, Silvani Ferreira, 44, informou que a comunidade tem 42 famílias que vivem exclusivamente da pesca e outras 44, que têm a atividade como complemento de renda. “Sou da terceira geração de pescadores do bairro e há 30 anos espero pelo trapiche. Atualmente, a situação está mais complicada por causa do crescimento da nossa comunidade e a falta de um sistema sanitário. Temos que arrastar as embarcações e os pescados por 150 metros de lodo”, lamentou.

A comunidade pesqueira também sofre com as doenças. “É um problema de saúde pública, porque mesmo com todo o nosso cuidado, o pescado acaba entrando em contato com o lodo. O mesmo acontece com os pescadores, que quase todos têm algum problema de micose”, reforçou Silvani.

No bairro João Paulo, o camarão branco, o linguado, a pescadinha e a corvina são os frutos do mar mais capturados. O casal de pescadores Joarez Ramos Padilha, 49, Salete Iaczinski, 41, está preocupado com a demora. “O processo está parado há três meses e precisamos de respostas”, cobrou Joarez.

O projeto prevê a construção de uma praça e de um trapiche de 250 metros. O investimento previsto inicialmente é de R$ 3,8 milhões. A analista de infraestrutura da SUP Marina Christofidis informou que a prefeitura buscou informações sobre a documentação necessária no dia 8 de abril. “O último parecer foi entregue pelo Ipuf no dia 14 de julho. Dividimos a seção terrestre e aquática entre dois analistas para dar celeridade ao processo. Agora, ele vai para a área jurídica e deve voltar para a assinatura da seção pública no prazo de um mês”, explicou.   

O engenheiro Américo Pescador, da Secretaria de Obras da Capital, disse que o trapiche do João Paulo será o primeiro público na Ilha com todas as licenças expedidas corretamente. Após o parecer da SPU, a prefeitura deve assinar o contrato com a Caixa Econômica Federal para a liberação dos recursos. 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade