Publicidade
Domingo, 18 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Projeto para revitalização da região da Rua Bocaiúva, em Florianópolis, prioriza pedestre

Travessas Harmonia, Carreirão e Abílio de Oliveira terão calçadões compartilhados para veículos, ciclistas e pedestres. Obra é estimada em R$ 14 milhões com recursos públicos e da iniciativa privada

Michael Gonçalves
Florianópolis
14/05/2018 às 21H01

Os pedestres serão os grandes beneficiados com a proposta de revitalização da região da Rua Bocaiúva, no Centro de Florianópolis. O projeto arquitetônico e executivo da região da Bocaiúva está pronto há quase cinco anos e na semana passada foi apresentado ao governador Eduardo Pinho Moreira (PMDB). Para o diretor metropolitano do Ipuf (Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis), arquiteto e urbanista Michel Mittmann, o projeto prevê faixas elevadas nas praças e as travessas devem virar calçadões compartilhados por pedestres, ciclistas e veículos motorizados. A obra deve contar com recursos da iniciativa privada e do poder público. A estimativa de custo é de R$ 14 milhões.

Projeto Bocaiúva - Divulgação CDL/ND
O projeto arquitetônico e executivo da região da Bocaiúva está pronto há quase cinco anos (reprodução do projeto) - Divulgação CDL/ND

Michel Mittmann explicou que o objetivo é abrir espaço para as pessoas, sem reduzir as faixas de rolamento. “O principal apelo em relação ao Governo do Estado é o aterramento das fiações elétricas pela Celesc (Centrais Elétricas de Santa Catarina) para abrirmos mais espaços nas calçadas.Também vamos padronizar os passeios e uniformizar os espaços de pedestres, com as faixas elevadas ao lado das praças e o compartilhamento das travessas”, afirmou o diretor do Ipuf.

A revitalização contempla intervenções artísticas, paisagísticas e mais arborização. Com um conceito moderno e interativo com o ambiente, a obra vai proporcionar mais segurança para os moradores, os comerciantes e os visitantes da cidade.

Morador da Bocaiúva há mais de 20 anos, o aposentado Moacir José Martello, 59, defende a redução de veículos na região. “Com a retirada dos ônibus, a mobilidade melhorou bastante, mas o movimento de veículos ainda é intenso das 6h às 23h. Sou favorável a redução da faixa de rolamento para abrir mais espaço aos ciclistas e aos pedestres, mas acho pouco provável”, comentou o aposentado.

O trecho a ser revitalizado é entre a Avenida Mauro Ramos e a Rua Esteves Júnior. Já as travessas Harmonia, Carreirão e Abílio de Oliveira terão calçadões compartilhados.

Projeto Bocaiúva - Divulgação CDL/ND
A revitalização contempla intervenções artísticas, paisagísticas e mais arborização (repordução do projeto) - Divulgação CDL/ND



 

Governador sinaliza positivamente

Durante o encontro que contou com a presença de empresários, do prefeito Gean Loureiro (PMDB) e do presidente da CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas), Lidomar Bison, o governador Eduardo Pinho Moreira manifestou o interesse em destinar recursos para viabilizar o projeto de revitalização da região.

As melhorias na Rua Bocaiúva contemplam o sistema de mobilidade. “Vamos lançar o rebaixamento do projeto no pacote de R$ 40 milhões destinados para projetos de mobilidade urbana e dar uma cara nova para Florianópolis”, disse Moreira.

revitalização bocaiúva  - Daniel Queiroz/ND
Com a execução do projeto, a rua teria fiações elétricas subterrâneas feitas pela Celesc - Daniel Queiroz/ND

O diretor metropolitano do Ipuf, Michel Mittmann, lembrou que a revitalização tem conectividade com a ponte Hercílio Luz. O projeto dividiu a obra em seis trechos, que são os quarteirões da Bocaiúva. Os empresários saíram otimistas da audiência, que demonstrou respaldo e concordância do entendimento tanto do município quanto do estado de promover a transformação da cidade para um ambiente melhor e mais agradável de viver.

Lidomar Bison destacou a integração com a ponte Hercílio Luz. “A sociedade ganha com a revitalização. É uma transformação para Capital, deixando ela mais charmosa, moderna e combinando com as mudanças dos tempos”, avaliou.

O comerciante Cristiano Gerber, 30, apoia a revitalização, mas sem a redução das faixas de rolamento. “Se for para trazer mais pessoas para a rua sou favorável, mas não podemos reduzir as pistas dos veículos. O trânsito é muito intenso e qualquer redução será um tiro no pé. A região é muito bela e a revitalização vai deixar a área ainda mais charmosa”, comentou.

Publicidade

9 Comentários

Publicidade
Publicidade