Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Procon fiscaliza preços em postos de combustível de Florianópolis

Após verificar que postos da Capital ainda não vendiam o diesel com os R$ 0,46 de redução, Procon aguarda definições do governo federal para voltar às ruas

Redação ND
Florianópolis
04/06/2018 às 12H38

O Procon de Florianópolis realizou uma nova fiscalização dos postos de combustíveis da cidade durante o feriado de Corpus Christi, entre a última quinta-feira (31) e este domingo (3). Em alguns postos foi constatado que o diesel ainda não era vendido com os R$ 0,46 de redução anunciados pelo governo federal, pois as notas fiscais que são emitidas pelas distribuidoras não chegaram com essa diferença.

Seis postos foram fiscalizados na região dos Ingleses e do Rio Vermelho, em Florianópolis, neste domingo - PMF/Divulgação/ND
Seis postos foram fiscalizados na região dos Ingleses e do Rio Vermelho, em Florianópolis, neste domingo - PMF/Divulgação/ND


A Prefeitura de Florianópolis explicou que a referência tem que ser em relação aos valores praticados no dia 21 de maio. “Se naquela data o valor por litro era 3,46 reais, o diesel tem que ser vendido por 3,00 reais”, informou.

O secretário municipal de Defesa do Consumidor, Trabalho e Renda, Celso Sandrini, acredita que o problema agora será o diesel. “Florianópolis é uma cidade mais urbana, com pouco consumo de diesel, mais para veículos de passeio, como caminhonetes, e alguns caminhões. De qualquer maneira, precisamos fiscalizar”, disse.

Segundo Sandrini, o preço do diesel está se mantendo, enquanto o da gasolina subiu em alguns estabelecimentos, mas a mudança efetiva nos valores dos combustíveis se daria a partir desta segunda-feira. Ele afirmou que o Procon municipal aguarda as definições do governo federal para poder voltar às ruas e continuar fiscalizando a situação.

Neste domingo, seis postos de combustíveis da região de Ingleses e Rio Vermelho, no Norte da Ilha, foram visitados pelos fiscais, que constataram não haver abuso de preços, de acordo com as notas de aquisição do produto. Alguns estabelecimentos estavam fechados no momento das visitas, pois aguardavam os caminhões de combustível para serem reabastecidos.

Publicidade

2 Comentários

Publicidade
Publicidade