Publicidade
Segunda-Feira, 19 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 24º C
  • 18º C

Presidente do PSL diz que partido não descarta fazer campanha sem Bolsonaro

"Vamos fazer um esforço redobrado para levar o nome do Jair Bolsonaro para buscar uma vitória no primeiro turno, que é a nossa intenção verdadeira", disse deputado Major Olímpio

Folha de São Paulo
São Paulo (SP)
07/09/2018 às 14H09

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O deputado Major Olímpio, presidente do PSL em São Paulo, disse que o partido não descarta fazer campanha sem o candidato Jair Bolsonaro, esfaqueado na última quinta durante ato em Juiz de Fora (MG), mas que eles não estão discutindo neste momento qualquer agendamento de campanha.

"Não acredito que haja dificuldade do prosseguimento da campanha do Jair Bolsonaro", disse. "Vamos fazer um esforço redobrado para levar o nome do Jair Bolsonaro para buscar uma vitória no primeiro turno, que é a nossa intenção verdadeira", completou.

Deputado Major Olímpio concedeu entrevista na porta do Hospital Israelita Albert Einstein, na manhã desta sexta-feira - Bruno Rocha /Fotoarena/Folhapress
Deputado Major Olímpio concedeu entrevista na porta do Hospital Israelita Albert Einstein, na manhã desta sexta-feira - Bruno Rocha /Fotoarena/Folhapress


Segundo ele, no entanto, Bolsonaro ficará em repouso pelo período que os médicos disserem necessário. "Não é o calendário eleitoral que vai definir isso", declarou.

Em frente ao hospital Albert Einstein, Major Olímpio disse que o estado de Bolsonaro "é bom". "Logicamente diante da gravidade do quadro, há a necessidade de uma expectativa de pelo menos 48 horas de avaliações", disse.

Segundo ele, somente a mulher e os filhos do candidato terão acesso à área de UTI, onde Bolsonaro está.

Olímpio disse ter brincado com Bolsonaro nesta manhã e que o candidato respondeu com um sinal de "positivo".

>> Estado de Bolsonaro é estável, mas grave, diz hospital Albert Einstein

Tendência é que Mourão assuma os compromissos de Bolsonaro, diz PRTB

O candidato a vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), general Hamilton Mourão, deve assumir as agendas do presidenciável, que está hospitalizado após ter sofrido facada. A informação foi divulgada nesta sexta-feira pela assessoria do general da reserva, filiado ao PRTB.

"Entre hoje e domingo, os partidos vão intensificar as tratativas relativas à sequência da campanha presidencial. A tendência é que Mourão assuma os compromissos de Bolsonaro", diz a nota.

O PRTB informou ainda que reforçará a segurança de Mourão.

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade