Publicidade
Quarta-Feira, 21 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 17º C

Prefeitura de Florianópolis fecha ano com economia de R$ 70 milhões e garante 13º salário

Principal foco de pacotão aprovado em janeiro, funcionalismo público tem maiores cortes e vai receber salário de dezembro adiantado

Fábio Bispo
Florianópolis
30/10/2017 às 21H00

Grande medo das administrações do país, diante de um ambiente de crise, o de não conseguir arcar com pagamentos de servidores não afetará a Prefeitura de Florianópolis. No início do ano, logo nos primeiros dias de administração, Gean Loureiro (PMDB) chegou a condenar o pagamento do décimo terceiro caso nada fosse feito.

Sede da prefeitura foi iluminada de rosa em apoio ao movimento  - Marco Santiago/ND
Sede da prefeitura de Florianópolis - Marco Santiago/ND



Um pacote de austeridade foi aprovado às pressas na Câmara e o funcionalismo fez greve de 38 dias, a mais longa já registrada na cidade. Na última semana, o município apresentou um cronograma para pagamento do 13º salário e antecipação dos vencimentos de dezembro.

Gean assumiu a prefeitura com salários dos servidores atrasados e um ambiente de incertezas. O pacote de medidas, que tinha como alvo o funcionalismo, teve que ser revisado diante da pressão sindical, mesmo assim, segundo o secretário de Administração Everson Mendes, permitiu que o município alcançasse economia de R$ 70 milhões este, ano comparado com 2016.

Os principais cortes vêm da suspensão do PCCS (Plano de Cargos, Carreira e Salários) de servidores, dos pagamentos para funcionários em comissões especiais, das funções gratificadas e da redução no número de servidores comissionados. “Não foi milagre, é gestão pública. O pacote do início do ano era bem austero, mas conseguimos preservar bastante da proposta, cortamos na carne”, afirmou o secretário Everson Mendes.

Contratos foram revistos

Desde o início da gestão, o município vem contingenciando todas as pastas e fez a revisão de todos os contratos públicos, conforme o secretário Everson Mendes. Um exemplo disso são os contratos de locação de veículos e imóveis. Em 2016, a prefeitura tinha 98 carros alugados, este ano são 30 veículos, três vezes menos.

Também foram feitos remanejamentos de unidades da administração para prédios próprios ou com aluguéis mais baratos. Já a conta de celulares caiu de R$ 302 mil para R$ 93 mil.

O município também informou que obteve crescimento da receita e que fechará o ano gastando menos do que arrecada. O principal desafio agora é conseguir manter o custo de pessoal dentro dos limites legais.

A prefeitura ainda pleiteia reaver R$ 92 milhões depositados no Fundo de Previdência referentes à cota patronal de inativos entre 2012 e 2017. Segundo o município, esses valores não deveriam ter sido depositados e serão descontados do fundo que paga os aposentados do município.

Economias

Em 2016 município gastou R$ 5,6 milhões em comissões especiais. Em 2017 deve fechar o ano em R$ 500 mil.

As Funções Gratificadas caíram de R$ 4,8 milhões em 2016 para R$ 3,9 milhões neste ano.

Cargos comissionados, que custaram R$ 33 milhões em 2016 devem fechar o ano com um custo de até R$ 20 milhões.

R$ 70 milhões é o tamanho da economia com pessoal e custeio entre 2016 e 2017

        Cronograma de salários

  • 30 de novembro – 50% do 13º salário
  • 4 de dezembro – salário de novembro
  • 15 de dezembro – 50% restantes do 13º salário
  • 20 de dezembro – salário de dezembro

 

Publicidade

4 Comentários

Publicidade
Publicidade