Publicidade
Sábado, 18 de Novembro de 2017
Descrição do tempo
  • 24º C
  • 21º C

Prefeito de Florianópolis fala sobre as ações e planos após dez meses e 13 dias de gestão

Gean Loureiro (PMDB) comemora as vitórias jurídicas no STJ e no STF, fala sobre a expectativa de receber cruzeiros e o GP Brasil de Fórmula 1 e lamenta as barreiras para executar as obras

Michael Gonçalves
Florianópolis
14/11/2017 às 08H22

Há dez meses e 13 dias à frente da Prefeitura de Florianópolis, Gean Loureiro (PMDB) comemora a reorganização da cidade para o retorno do crescimento com os reajustes da gestão fiscal, que resultou na garantia dos salários dos servidores públicos e na possibilidade de aderir a novos financiamentos. Em compensação, o prefeito lamenta não atingir as metas no tempo programado em função da burocracia excessiva.

Gean Loureiro concedeu entrevista ao vivo na edição desta segunda-feira do Balanço Geral, na RICTV Record - Flávio Tin/ND
Gean Loureiro concedeu entrevista ao vivo na edição desta segunda-feira do Balanço Geral, na RICTV Record - Flávio Tin/ND


Em visita ao Grupo RIC, Gean falou sobre as vitórias no STJ (Superior Tribunal de Justiça) - na ação do Plano Diretor; no TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) - na polêmica sobre os beach clubs; e na SPU (Superintendência do Patrimônio da União) - sobre as quadras de areia na Beira-Mar Norte. O prefeito também comentou a possibilidade de a cidade sediar o GP Brasil de Fórmula 1, de receber cruzeiros em 2018, o avanço das obras, recuperação das praias atingidas pela ressaca, aplicativo do transporte coletivo e segurança pública.

Ele também anunciou para os próximos dias a licitação para a duplicação da rua Deputado Antônio Edu Vieira, no Pantanal. Na quarta-feira (15), Gean assinará a liberação para a ordem de serviço para a construção da Estação de Tratamento de Esgoto do Sul da Ilha, avaliada em R$ 34 milhões. Confira a entrevista:

Plano Diretor

“Foi uma vitória jurídica e política, em uma tese que a prefeitura tem que ter o comando do processo, respeitando o que prevê o Estatuto das Cidades, como a participação comunitária. A partir de agora voltamos a ter uma estabilidade jurídica, uma segurança para o investidor. E a prefeitura vai trabalhar. Buscamos uma legislação que possa regulamentar a lei complementar 482/14, corrigir eventuais falhas na legislação, mas não pensando num plano totalmente novo, mas no plano atual melhor regulamentado”.

Beach clubs

“O mais importante é que a expectativa jurídica era muito negativa. Veio uma decisão intermediária. A partir de agora, com os embargos que as partes farão no processo, ter de maneira discriminada os tipos de avanços que precisam ser revistos, o que precisa ser feito e a partir daí moldar o que determina a discussão e, obviamente, numa expectativa que essa interpretação não inviabilize totalmente os empreendimentos que acabam sendo uma referência turística para a cidade”.

Fórmula 1

“A partir do momento que nossa cidade é citada como opção para sediar uma etapa do Mundial de F-1 é motivo de orgulho para toda a população. Não fomos nós que procuramos, foram eles que disseram. Se Florianópolis está servindo de barganha para São Paulo, quer dizer que o mundo inteiro está comentando sobre Floripa. É óbvio que a gente tem uma cautela. Houve um questionamento junto à Secretaria de Turismo, sobre a estrutura de Florianópolis com o número de leitos. Se considerarmos o número de leitos na rede hoteleira e mais aqueles à disposição por meio dos aplicativos, é uma das cidades que mais oferta, entre 60 mil e 70 mil leitos. Ainda precisamos estudar os impactos que podem gerar pela mobilidade urbana, mas nunca vamos nos furtar a buscar eventos que possam potencializar o turismo e a imagem positiva da cidade. Se analisar as outras cidades com prova de rua, ela não traz um incômodo, mas sim em uma grande festividade. O evento não estimula o turismo apenas durante o período da competição, mas permanentemente”.

Obras

“Nosso ritmo de obras na saúde, as que forem entregues as ordens de serviço, estamos acompanhando e nossa meta é terminar antes do prazo previsto. As obras inacabadas todas deram continuidade, incluindo a da Casa de Câmara e Cadeia. Nas obras de infraestrutura temos duas de grande porte: elevado do Rio Tavares e Anel Viário. No elevado aguardamos a conclusão do estudo do patrimônio histórico na retirada dos materiais (arqueológicos) do pilar principal. Temos quase 80% das desapropriações negociadas das que faltam para executar a obra, porque nossa meta é em novembro concluir todas. Teremos uma frente de trabalho considerável, mesmo tendo um atraso pelo refinanciamento que foi necessário fazer. A expectativa após a liberação do patrimônio histórico, que deve acontecer nos próximos dias, é entrar num ritmo de trabalho mais intenso. Até a pequena intervenção no trânsito já melhorou o fluxo para o Sul da Ilha e a nossa meta continua sendo no primeiro semestre de 2018. No Anel Viário a empresa solicitou um aditivo, que a nossa equipe técnica não concordou, porque quando a empresa venceu a licitação ela conhecia a situação e depois de vencer pediu um aditivo, o que seria ilegal perante aos concorrentes. O fato novo é que houve uma portaria do Ministério das Cidades que permite programas que a prefeitura estava inserida possa utilizar recursos para desapropriações. Isso viabiliza a desapropriação para a duplicação da Edu Vieira e, assim, a meta agora é licitar o trajeto original e não mais no formato do binário. Devemos lançar nos próximos dias o edital e esperamos ter uma boa empresa para ter uma execução no prazo, porque notamos que a obra não tinha os avanços como previsto no cronograma.”

Ressacas e temporada de verão

”O avanço da maré não foi exclusivo de Florianópolis, mas fomos a primeira cidade a buscar recursos federais. Nesta terça-feira (14), a partir das 8h, estarei na praia de Ingleses para acompanhar o início dos trabalhos com a empresa contratada. Os trabalhos também acontecem nas praias Brava, Canasvieiras, Matadeiro, Mole e Morro das Pedras. Faremos a remoção dos entulhos na faixa de areia, recolocaremos a iluminação pública destruída, reposicionando os postos salva-vidas e melhoria dos acessos às praias. Além dos mais de R$ 926 mil do governo federal, colocaremos recursos próprios. Na quinta-feira (16) anunciaremos todas as ações da Operação Verão, como infraestrutura, fiscalização r programações de Réveillon, Natal e Carnaval”.

Cruzeiros

“Já estamos com a batimetria [medição da profundidade] pronta para receber os cruzeiros. A posição correta fica em Jurerê, próximo à Ilha do Francês. Já temos uma empresa com uma programação de escala teste em março de 2018. Ainda estamos aguardando documentos, mas os passageiros devem desembarcar com auxílio de pequenos barcos nas marinas de Jurerê ou de Canasvieiras”.

Quadras de areia

”Entramos em acordo com a SPU e as quadras permanecerão na Beira-Mar Norte. Os equipamentos foram muito bem aceitos pela população e faremos mais arenas em Canasvieiras, Costeira, Saco dos Limões e no Continente”.

Transporte coletivo

“O aplicativo Floripa no Ponto começará a informar o horário de todas as linhas com a proximidade dos coletivos dos pontos a partir desta quarta-feira (15). Isso é possível porque todos os ônibus estão com o GPS e a equipe técnica resolveu os problemas com os pontos de sombreamento. Sobre os abrigos, realizamos uma renovação do contrato anterior para a aquisição de 50 novos abrigos e ainda aguardamos recursos do Ministério da Integração para recuperar os que foram destruídos na enxurrada de dezembro de 2016”.

Segurança

“A gente tem tratado com as polícias Civil e Militar, porque a nossa expectativa é de uma ampliação no policiamento com a formação de novos policiais. Temos ações preventivas com a Guarda Municipal, como a Operação Lei Seca, que gera segurança, estamos ocupando espaços públicos como as praças e teremos uma fiscalização intensa dos ambulantes também. É claro que os homicídios, que em grande parte são gerados pela guerra das facções, é um trabalho de inteligência e de investigação da Polícia Civil, com a Militar fazendo a parte ofensiva. Faço a cobrança efetiva para que isso possa acontecer com mais eficiência e eficácia. A expectativa é de um aumento no policiamento durante a temporada”.

Publicidade

6 Comentários

Publicidade
Publicidade