Publicidade
Sábado, 22 de Julho de 2017
Descrição do tempo
  • 20º C
  • 13º C

Policial é morto em tiroteio na Champs-Elysées, em Paris

As autoridades policiais pediram à população para que evitem a região

Folha de São Paulo
São Paulo
20/04/2017 às 18H22

DIOGO BERCITO, ENVIADO ESPECIAL

LYON, FRANÇA (FOLHAPRESS) - Um policial foi morto e outros dois foram feridos em Paris nesta quinta-feira (20) por um atirador. O atirador morreu, atingido pela polícia. Não há indícios sobre a motivação do ataque, a apenas três dias das eleições presidenciais, com primeiro turno neste domingo (23). Um porta-voz do Ministério do Interior disse que era cedo demais para especular sobre o incidente, mas disse também estar claro que policiais foram escolhidos como alvo de maneira deliberada.

Testemunhas afirmam que um carro aproximou-se dos policiais em um semáforo vermelho em Champs-Elysées, uma das áreas icônicas da capital. Um homem desceu do veículo e disparou com uma arma automática. As autoridades isolaram o local e pediram que o público evitasse os arredores. Helicópteros sobrevoavam a cidade durante a operação.

Um grande contingente policial, fortemente armado, foi deslocado para a área, segundo agências de notícias. O primeiro-ministro francês, Bernard Cazeneuve, dirigiu-se ao Palácio do Eliseu para se reunir com o presidente François Hollande.

ELEIÇÕES

O tiroteio coincidiu com o último debate entre os candidatos à presidência. Caso o ataque tenha sido de autoria de uma organização terrorista islâmica, como o Estado Islâmico ou a Al Qaeda, o cenário favorece a candidata da extrema direita, Marine Le Pen, que tem um discurso baseado na aversão ao islã e aos migrantes. Há uma disputa acirrada neste primeiro turno entre quatro candidatos. O independentista Emmanuel Macron lidera com 24,5% dos votos, seguido por Le Pen, com 21%, segundo uma sondagem desta quinta-feira.

O conservador François Fillon tem 20%, e o esquerdista Jean-Luc Mélenchon, 19%. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais. O incidente desta quinta-feira é agravado pelo fato de que o governo francês havia frustrado uma tentativa de atentado na terça-feira (18), ao deter dois homens em Marselha, na costa sul. Uma arma automática e três quilos de material explosivo foram encontrados em um apartamento na cidade, segundo a Promotoria. Os candidatos foram alertados pelas autoridades e aumentaram a segurança em seus eventos de campanha.

A reportagem encontrou diversas barreiras policiais, por exemplo, para comparecer ao comício de Le Pen em Marselha na quarta. A França está em estado de emergência desde 2015, após uma série de atentados terroristas. Uma das ações especialmente traumáticas deixou 130 mortos em novembro de 2015 em Paris.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade