Publicidade
Terça-Feira, 23 de Outubro de 2018
Descrição do tempo
  • 24º C
  • 18º C

Polícia comenta a imprudência nas rodovias após atropelamento na SC-402 em Florianópolis

Vítimas evitaram dirigir após a balada e acabaram sendo vítimas de condutor embriagado

Dariele Gomes
Florianópolis
06/08/2017 às 21H22

O acidente da manhã deste domingo, na SC-402, em Florianópolis, em que dois veículos atropelaram quatro pessoas, foi mais um causado pela imprudência de condutores que dirigem após consumirem álcool e pela falta de fiscalização da Lei Seca na região.

O mais recente, antes deste atropelamento, foi em maio deste ano, quando duas mulheres morreram na SC-401, após um acidente envolvendo um motorista também embriagado.

Desta vez, três das quatro pessoas atropeladas deixaram de ir para a festa dirigindo para não misturar álcool e direção na estrada e acabaram sendo vítima de pelo menos um condutor embriagado enquanto aguardavam pelo serviço de transporte particular.

Veículo envolvido no primeiro acidente na SC-402 foi abandonado - Marco Santiago/ND
Veículo envolvido no primeiro acidente na SC-402 foi abandonado - Marco Santiago/ND


Sobre a fiscalização nas saídas das festas no Norte da Ilha, o tenente-coronel do Comando de Policiamento Rodoviário da PMRv-SC (Polícia Militar Rodoviária de Santa Catarina), Fábio Martins, a fiscalização após as festas sempre existem. Porém, não há como estar presente em todas as operações, em todos os momentos.

>> Quatro pessoas são atropeladas na SC-402 neste domingo em Florianópolis

Ele diz que a sociedade está muito irresponsável com as leis e que nas operações muitos condutores são autuados com irregularidades rapidamente. Martins afirmou que 30 minutos antes do atropelamento, uma guarnição estava em frente à esta festa no Norte da Ilha.

“Eles esperam a polícia sair do local para se deslocarem. Há grupos no whatsapp que comunicam as operações. Assim fica desgastante o nosso trabalho. Ficamos com uma sensação horrível em saber que esse atropelamento ocorreu minutos depois da guarnição sair do local. Uma sensação de impunidade”, comentou.

Martins fala ainda que é necessária uma reforma nas leis: “Provavelmente eles aguardaram a polícia sair do local para dirigir. A gente vê o estrago do que aconteceu e pensa, onde está a responsabilidade dessas pessoas. Do risco que apresentam à sociedade”.

Na tarde deste domingo a PMRv fazia uma blitz próximo ao posto da SC-401 - Marco Santiago/ND
Na tarde deste domingo a PMRv fazia uma blitz próximo ao posto da SC-401 - Marco Santiago/ND



Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade