Publicidade
Segunda-Feira, 24 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 19º C

PF pode recorrer à AGU para acabar com guerra de decisões sobre Lula

Cúpula da Polícia Federal pode recorrer à Advocacia-Geral da União para pedir uma orientação expressa sobre como proceder no caso do petista

Folha de São Paulo
São Paulo (SP)
08/07/2018 às 15H26

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Diante da guerra de decisões em torno da possível soltura do ex-presidente Lula, integrantes da Polícia Federal afirmam que a corporação pode recorrer à AGU (Advocacia-Geral da União) para pedir uma orientação expressa sobre como proceder no caso do petista.

Segundo a Folha apurou, a cúpula da PF pode pedir que a AGU decida se deve ou não cumprir a decisão liminar do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) que manda soltar Lula ainda neste domingo (8), mas que foi questionada pelo juiz Sergio Moro, responsável pela Lava Jato em Curitiba.

Pouco tempo após a decisão do desembargador Rogério Favreto, o juiz federal João Pedro Gebran Neto, relator do habeas corpus do ex-presidente Lula no TRF-4, emitiu despacho na tarde deste domingo (8) suspendendo a soltura do petista.

Moro publicou um despacho afirmando que o desembargador Rogério Favreto
Moro publicou um despacho afirmando que o desembargador Rogério Favreto "com todo o respeito, é autoridade absolutamente incompetente" - Futura Press/Folhapress

Moro publicou um despacho neste domingo afirmando que o desembargador Rogério Favreto "com todo o respeito, é autoridade absolutamente incompetente para sobrepor-se à decisão do colegiado da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região e ainda do plenário do Supremo Tribunal Federal", que autorizaram a prisão de Lula.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região deferiu uma liminar para que o ex-presidente seja solto ainda neste domingo (8). Favreto acatou habeas corpus apresentado na sexta (6) pelos deputados Wadih Damous, Paulo Pimenta e Paulo Teixeira, do PT, pedindo que ele fosse libertado imediatamente, pois não haveria fundamento jurídico para a prisão dele.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade