Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Petrobras aceita discutir revisão do reajuste diário da gasolina

Condição é que cotação internacional continue lastreando preço no mercado interno

Folha de São Paulo
Brasília (DF)
04/06/2018 às 19H21

MAELI PRADO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Assim como ocorreu com o gás de cozinha e com o diesel, a Petrobras sinalizou ao governo que aceita debater a revisão da política de reajuste diário do preço da gasolina, desde que a cotação internacional do combustível continue a servir de referência para o preço no mercado interno. Outra condição, segundo pessoa próxima às negociações ouvida pela reportagem, é que a estatal seja protegida contra importações caso o preço no exterior fique mais baixo do que o praticado no Brasil. A informação foi antecipada pelo jornal Valor Econômico. 

Segundo o Sindigás, a Petrobras  comunicou o reajuste às empresas a ele associadas na tarde desta terça-feira - Tânia Rêgo/Agência Brasil/Divulgação/ND
Petrobras quer que a cotação internacional da gasolina continue servindo de referência para o preço no mercado interno- Tânia Rêgo/Agência Brasil/Divulgação/ND


A Petrobras vem sendo ouvida pelo governo, informalmente, sobre o tema, subsidiando com informações os técnicos que participam das conversas. Segundo fonte, a avaliação é que a mudança não representaria uma novidade total na política da empresa, já que o preço do gás de cozinha residencial, desde janeiro deste ano, passou a ser atualizado trimestralmente, em vez de mensalmente. 

A referência continuou a ser o preço do butano e propano comercializado no mercado europeu, mas o período de apuração das cotações internacionais e do câmbio levado em conta para o reajuste passou a ser a média de 12 meses anteriores, e não mais a variação mensal. No caso do diesel, o preço foi congelado por 60 dias, medida possível pelo subsídio dado pela União ao desconto de R$ 0,46 no litro do combustível. 

Nesse caso, para evitar distorções entre o preço do mercado interno e o combustível importado, o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, anunciou a criação de um imposto de importação, a ser corrigido diariamente para compensar eventuais diferenças. Uma medida similiar teria que ser tomada caso a revisão no preço da gasolina deixe de ser diária. 

Nesta sexta-feira (1º), o Ministério de Minas e Energia afirmou em nota que seria criado um grupo de trabalho, em conjunto com a ANP (Agência Nacional de Petróleo) e técnicos do Ministério da Fazenda, para discutir uma nova política de reajustes. Havia uma reunião sobre o tema marcada para esta segunda (4), mas esta não ocorreu.

Publicidade

2 Comentários

Publicidade
Publicidade