Publicidade
Sábado, 18 de Novembro de 2017
Descrição do tempo
  • 24º C
  • 21º C

Pesquisas arqueológicas na área do novo elevado do Rio Tavares são retomadas

Em trabalho que começou em abril de 2015, pesquisadores já encontraram ossos humanos, conchas e ferramentas feitas de pedra

Dariele Gomes
Florianópolis
20/10/2017 às 07H46

Profissionais da empresa Geoarqueologia voltaram a fazer pesquisas no terreno da obra do elevado do Rio Tavares, no Sul da Ilha. Na última terça-feira (17), os pesquisadores começaram a escavar o canteiro central, onde deve ser construído o último pilar do elevado, identificado como P1. Desde que o trabalho começou a ser feito no sítio arqueológico, em abril de 2015, já foram encontrados ossos humanos, conchas, materiais líticos (ferramentas feitas pelo homem a partir de pedras).

as escavações, Cassiano dos Santos e equipe da Geoarqueologia já retiraram ossos humanos e ferramentas de pedra  - Daniel Queiroz/ND
Nas escavações, Cassiano dos Santos e equipe da Geoarqueologia já retiraram ossos humanos e ferramentas de pedra - Daniel Queiroz/ND



“Já identificamos que essa área era um sambaqui, que é um amontoado de conchas. Isso indica que o mar chegava até aqui. As pessoas queriam trabalhar próximo do local onde moravam, então encontramos aqui conchas de ostras e berbigões, que mostram que no mesmo momento que extraíam o alimento do mar, já o limpavam aqui mesmo”, explica historiador Cassiano dos Santos.

Em 2015, na área do outro lado da rodovia, onde ficava uma antiga madeireira, foram encontradas evidências de sepultamento humano. Santos conta que esqueletos de duas pessoas foram levados para a UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), onde ainda devem ser estudados para precisar uma data de quando foram enterrados no local.

O trabalho de pesquisa está sendo coordenado pelo arqueólogo Osvaldo Paulino da Silva, e o trabalho de campo pela arqueóloga Natália Betarello Ramalho. O objetivo é estudar o sítio antes da construção. “É como um livro, você não sabe o conteúdo dele sem ler página por página. Assim é o nosso trabalho, temos que estudar o que há debaixo da terra. Essa etapa faz parte do projeto e temos que cumprir. O prazo pode ser de 40 a 60 dias, depende do que encontrarmos aqui”, disse Santos.

A construção do elevado começou em abril de 2015. Conforme a imprensa da prefeitura, a previsão de conclusão é março de 2018, no aniversário de Florianópolis. 

Conchas e ferramentas feitas de pedras

A escavação aberta é de 16 m² e a profundidade se dará no decorrer do trabalho. Até o terceiro dia de pesquisa, Cassiano dos Santos diz que foram encontrados materiais de conchas nessa nova escavação, que ainda é inicial.

A equipe já encontrou também materiais líticos. “É bem comum encontrarmos esse material aqui. Eles pegavam pedras e colocavam em atrito com outra pedra, até obterem a forma de ferramenta para o trabalho. No sítio arqueológico o solo vai sendo acumulado para cima, então já sabemos que quanto mais profundo o material no solo, mas antigo é”, diz.

Por ser um sítio arqueológico, Santos explica que é necessário fazer a pesquisa. “Não estamos atrasando a obra, estamos fazendo o nosso trabalho e através dessa pesquisa revelar dados históricos. Ainda devemos achar muita coisa nesse solo, é uma caixinha de surpresas”, afirma.

Publicidade

10 Comentários

Publicidade
Publicidade