Publicidade
Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 20º C

Paralisação de caminhoneiros gera cancelamentos de reservas para feriadão em Florianópolis

Teve hotel no Norte da Ilha com adiamento de 70% dos leitos reservados. Para o presidente da ABIH-SC, Osmar Vaillati, o foco é em garantir a qualidade do serviço para quem consegue chegar à Ilha

Michael Gonçalves
Florianópolis
30/05/2018 às 21H52

Com a incerteza sobre a disponibilidade de combustível e de alimentos, muitos brasileiros que pretendiam viajar durante o feriado prolongado de Corpus Christi cancelaram as reservas em hotéis. Segundo Daniela Kroeger, gerente de reservas do Palace Praia Hotel, em Canasvieiras, onde a previsão de ocupação ultrapassava 90%, o número de cancelamentos chegou a 70%. O presidente da Abih-SC (Associação Brasileira da Indústria Hoteleira), Osmar Vaillati, informou que os cancelamentos são administrados pelos setores comerciais dos hotéis de forma a dar segurança ao hóspede para uma hospedagem futura, bem como a garantia que tudo estará em ordem se conseguirem chegar ao destino.

Greve de caminhoneiros gera cancelamentos  - Marco Santiago/ND
O foco é em garantir a qualidade do serviço para quem consegue chegar à Ilha - Marco Santiago/ND

Em Florianópolis, os hotéis de praia e que dependem apenas do turismo foram os mais prejudicados. “Não temos os dados percentuais de cancelamentos e adiamentos das hospedagens porque no cenário estadual são inúmeras as variantes, mas a maioria dos hotéis confirmou os cancelamentos. Apesar disso, o foco é garantir a qualidade do serviço para quem consegue vir ou mantém o seu interesse, e cuidar para que aquele que precisa ir mais cedo ou terá que cancelar, terá sua necessidade atendida e retornará quando puder ou desejar”, disse Vaillati.

A maior preocupação da Abih-SC tem relação com a manutenção da qualidade dos serviços, uma vez que na hipótese de desabastecimento de alguns produtos e serviços estruturais, como gás e alimentos, a operacionalização ficaria comprometida. Daniela informou que o Palace Praia Hotel contrataria funcionários extras para o feriado, mas mudou de ideia com o elevado número de cancelamentos.

A solução foi transferir as reservas para outro período. “Estamos com uma promoção de 40% de desconto e chegamos a ter mais de 90% dos leitos reservados, mas a paralisação dos caminhoneiros foi uma ducha fria. Negociamos as reservas para outros períodos e ficamos apenas com os visitantes que estão em congresso na região”, afirmou Daniela. Segundo a Abih-SC, ainda não é possível mensurar o prejuízo financeiro do setor.

Lanchonete e passeios náuticos à espera dos visitantes

O gerente da empresa de passeios náuticos em Canasvieiras, Luiz Gustavo da Silva, informou que para o feriado de quinta-feira (31) apenas 17 lugares foram comercializados, dos 150 disponíveis em cada embarcação. Em outros períodos com o mesmo feriado prolongado de quatro dias, mais de 60 bilhetes já teriam sido comercializados, segundo o gerente.

Luiz Gustavo da Silva - Marco Santiago/ND
Gerente da empresa de passeios náuticos em Canasvieiras, Luiz Gustavo da Silva - Marco Santiago/ND



Das 20 embarcações utilizadas durante o verão, apenas duas estão à disposição neste feriado. “Vendemos 17 lugares para quinta-feira e apenas quatro para sexta-feira. Aliás, na baixa temporada só oferecemos passeios às terças, quintas, sábados e domingos, mas resolvemos incluir a sexta-feira neste feriadão. Infelizmente, a paralisação dos caminhoneiros prejudicou o deslocamentos dos turistas, que têm receio de não encontrar combustível e até alimentos”, lamentou Luiz Gustavo.

Na lanchonete Massa Viva, na avenida das Nações, em Canasvieiras, a situação também é crítica. Sem movimento, o gerente César da Silva Januário ainda não sabe se vale a pena abrir durante o feriado. Janurário conta que o movimento caiu 90%. “Imagina trabalhar o dia inteiro e fechar o caixa com R$ 35. Isso aconteceu nesta semana. Estamos acostumados a trabalhar durante os feriados, quando o movimento dobra, mas a expectativa neste fim de semana é de hotéis e ruas vazias”, estimou.

Gerente César da Silva Januário - Marco Santiago/ND
Gerente César da Silva Januário ainda não sabe se vale a pena abrir durante o feriado - Marco Santiago/ND



Procon diz que bom senso deve prevalecer entre consumidores e empresários

O diretor do Procon-SC, Michael da Silva, afirmou que o bom senso deve prevalecer na negociação de cancelamentos entre consumidores e empresários dos diferentes setores ligados ao turismo. Isso porque o Código de Defesa do Consumidor classifica a paralisação como uma "situação excepcional", o que facilita as condições de desistência. Já quem não conseguir viajar por outros motivos não tem direito a esse benefício e está sujeito às regras de cancelamento das empresas.

Segundo Michael, o Procon-SC ainda não recebeu queixas sobre a cobrança de taxas indevidas nos cancelamentos de hospedagem ou transporte. “Em função deste momento excepcional, orientamos os consumidores que negociem com as empresas os cancelamentos, os reembolsos ou remarcações, que é a melhor saída. Em caso de alguma irregularidade, o consumidor deve reunir comprovantes e fazer a reclamação, que pode ter a devolução até o dobro da quantia paga”, afirmou. Para conseguir a devolução, o consumidor deve procurar a empresa da qual contratou o serviço e justificar a impossibilidade de viajar.

Família de Salvador aproveita cidade vazia

Com as passagens aéreas compradas e as reservas confirmadas no hotel, a família do militar Luciano Neves, 45 anos, resolveu arriscar e durante a paralisação dos caminhoneiros e conseguiu embarcar de Salvador (BA) com destino a Florianópolis. O militar confessou que pensou em adiar a viagem, mas como a companhia aérea confirmou o voo, ele resolveu aproveitar as férias.

Família de Salvador aproveita cidade vazia - Marco Santigo/ND
Família de Salvador aproveita cidade vazia - Marco Santigo/ND

“Florianópolis é uma cidade muito bem vista e tínhamos muita vontade de conhecer. É claro que ficamos preocupados com o voo e com a possibilidade de um racionamento de itens básicos, mas valeu a pena. A cidade está vazia e, assim, conseguimos aproveitar melhor os pontos turísticos”, disse Neves. A família chegou na terça-feira (29) e deve retornar no domingo (3).

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade