Publicidade
Quarta-Feira, 21 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 17º C

Paciente do Dr. Bumbum morreu de embolia pulmonar, confirma laudo

Perito apontou que havia micro partículas espalhadas pelo pulmão da paciente, impedindo a oxigenação do sangue

Folha de São Paulo
Rio de Janeiro (RJ)
02/08/2018 às 11H36

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Um laudo do Instituto Médico Legal do Rio de Janeiro confirmou que embolia pulmonar -obstrução em uma artéria do pulmão- foi a causa da morte de Lilian Calixto, 46. A bancária morreu no último dia 15 após realizar um procedimento estético com o médico Denis César Barros Furtado, conhecido como Dr. Bumbum. 

O perito apontou que havia micro partículas espalhadas pelo pulmão da paciente, impedindo a oxigenação do sangue. O laudo também indicou quadro de choque, com falência de órgãos como fígado e rim.

Lilian de Lima Calixto morreu no sábado - Reprodução/Arquivo Pessoal
Lilian de Lima Calixto morreu no último dia 15 após realizar um procedimento estético com o médico - Reprodução/Arquivo Pessoal


O médico, que não tem registro para atuar no Rio nem formação em cirurgia plástica, já havia admitido em depoimento à polícia que havia injetado cerca de 300 ml de um produto chamado PMMA (polimetilmetacrilato, derivado do acrílico) no glúteo da paciente.

De acordo com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o PMMA pode ser usado para corrigir rugas e restaurar pequenos volumes perdidos de tecidos com o envelhecimento, mas em pequenas quantidades.

Nem a SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica) nem a SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) recomendam o uso do produto para fins estéticos. 

Um outro laudo da Polícia Civil que também foi concluído reforça a acusação contra Denis Furtado. Peritos disseram ter encontrado vestígios de que sua cobertura na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, era usada para consultas e procedimentos estéticos, citando medicamentos na geladeira.

MORTE APÓS PROCEDIMENTO

A intervenção em Lilian ocorreu no dia 14, um sábado, e a paciente foi socorrida pelo próprio Denis Furtado, pela sua mãe, que teria atuado como auxiliar, e pela sua namorada, que afirma que trabalhava apenas como secretária. Os três aparecem nas imagens gravadas pelo circuito interno do Hospital Barra D'or.

A bancária morava em Cuiabá e chegou ao Rio naquele final de semana apenas para realização da cirurgia estética. Segundo a unidade de saúde, ela estava em estado extremamente grave e mesmo após "manobras de recuperação", não foi possível reverter o quadro. Ela morreu duas horas após atendimento.

Os três indiciados -o médico, a mãe Maria de Fátima Furtado e a namorada Renata Cirne- estão presos temporariamente, suspeitos de homicídio doloso duplamente qualificado e associação criminosa.

A técnica de enfermagem Rosilane Silva aguarda em liberdade.

A defesa de Denis Furtado havia afirmado em entrevista coletiva concedida a jornalistas no dia 18 que julgar Furtado como culpado pela "fatalidade" ocorrida com a paciente é "precoce".

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade