Publicidade
Quarta-Feira, 23 de Janeiro de 2019
Descrição do tempo
  • 32º C
  • 23º C

Operação busca responsáveis por despejo irregular de esgoto no rio Perequê

Concessionária de esgoto foi alvo de denúncia. Fiscalização encontrou um duto que possibilitava o despejo de esgoto sem tratamento, mas empresa diz que cano é para uso emergencial e nunca foi aberto

Everton Palaoro
Itapema
10/01/2019 às 21H46

A Prefeitura de Itapema, a PM (Polícia Militar) e a Polícia Ambiental realizaram uma operação para tentar flagrar o despejo irregular de esgoto que no rio da Fita. O córrego deságuano rio Perequê, que frequentemente apresenta uma mancha negra, durante o verão. A Conasa/Águas de Itapema repudiou a ação e proibiu a prefeita Nilza Simas de realizar novas ações dentro do terreno da estação.

Por volta das 7h da manhã de ontem, policiais militares e ambientais foram mobilizados para apurar denúncia de que a concessionária mantinha um cano escondido para despejo de esgoto sem tratamento. Ao chegarem ao local, os policias não conseguiram obter as informações corretas sobre a funcionalidade do duto localizado. Após isso, houve a abertura da válvula e em minutos o esgoto começou a jorrar na tubulação que leva ao rio da Fita.

Segundo a Conasa, a ligação não é clandestina e está, inclusive, descrita no projeto da Estação de Tratamento. A saída despeja água tratada no rio, mas tem a válvula que permite jogar esgoto em casos extremos. Conforme a concessionária, ela nunca foi utilizada.
Após as explicações do advogado e do engenheiro da empresa, a prefeitura solicitou ainda a presença de técnicos da Aresc (Agência Reguladora de Santa Catarina) e também do Ima (Instituto do Meio Ambiente) para coletarem a água que sai do local. A PM verificou toda a situação e deve encaminhar a decisão para os òrgãos competentes.

A tarde, a prefeitura recebeu nova denúncia sobre irregularidades no local, mas a prefeita disse que foi impedida de entrar. A concessionária disse que tudo não passou de um mal entendido e que ficou claro que não há ilegalidades no tratamento. A prefeitura infomou que vai tentar um mandado judicial para garantir a fiscalização.

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade