Publicidade
Sábado, 17 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Ônibus acima da idade permitida circulam no transporte coletivo de Florianópolis

Coletivos convencionais fabricados em 2001 e 2006 são flagrados circulando com passageiros no sistema integrado da Capital

Michael Gonçalves
Florianópolis
06/08/2017 às 22H00

Ônibus fabricados em 2001 e 2006 ainda circulam no sistema de transporte coletivo de Florianópolis. Conforme a concessão assinada com o Consórcio Fênix, em 2014, para os próximos 20 anos, a idade média da frota deve ser de 5,5 anos. Para isso, o secretário de Transporte e Mobilidade Urbana da Capital, Marcelo Roberto da Silva, afirmou que a idade máxima dos coletivos convencionais é de dez anos, e para os articulados, 15 anos.

Com o objetivo de verificar uma reclamação dos usuários sobre a idade da frota, o ND foi às ruas e constatou que veículos com mais de dez anos de uso continuam ativos. A sanção prevista no contrato de concessão é multa de R$ 500 e retirada do veículo do sistema.

Na quinta-feira (3), às 13h10, o coletivo de número 44312, placas MBT-7756, circulava pela Via Expressa Sul, na linha 410 - Tirio (Terminal de Integração do Rio Tavares) direto Ticen (Terminal de Integração do Centro). O ônibus convencional estava quase lotado, com passageiros em pé. O problema é que esse veículo foi fabricado em 2001 e não poderia estar circulando no transporte público.

O ônibus de número 44312 não poderia estar circulando no transporte coletivo - Daniel Queiroz/ND
O ônibus de número 44312 não poderia estar circulando no transporte coletivo - Daniel Queiroz/ND


Com 16 anos de uso, o coletivo já deveria estar fora de circulação há seis anos. “Na Tapera raramente temos ônibus novos. A maioria é de coletivos velhos, que o barulho do motor revela a idade, mas com a pintura nova”, observou a pensionista Maria Aparecida Nadir Gonçalves, 52, que precisa do transporte coletivo cada vez que sai de casa.

A reportagem do ND também encontrou o veículo 4331, placas MDG-0203, que foi fabricado em 2006. Ele estava parado no bolsão de estacionamento no aterro da baía Sul, quarta-feira (2), com a inscrição da linha 631 – Capoeiras.

Na cláusula 23, do contrato de concessão, quando especifica os direitos e as obrigações da concessionária, o item 1.10 é claro: “Utilizar somente veículos que preencham os requisitos de operação, conforme previsto nas normas regulamentares”. A reportagem solicitou a lista da frota para a prefeitura, mas não recebeu a resposta até o fechamento desta edição.

“Vejo ônibus novos, mas não na minha linha”

A auxiliar administrativa Ariane Paola Rider, 18 anos, desembarcou no Centro na tarde de quinta-feira (3) no ônibus 0225, placas MKU-2250, fabricado em 2006. Ela pegou o ônibus no bairro Saco dos Limões. Mesmo sem saber que estava em veículo acima da idade permitida, Ariane confirmou o estado lamentável de alguns ônibus.

“Na verdade, vejo muitos ônibus novos, mas é difícil encontrá-los na minha linha. Normalmente, são velhos. A gente vê no noticiário acidentes com coletivos na região e tem receio do que pode acontecer. Por precaução, não fico perto das portas”, disse em tom de preocupação.

Ariane Rider veio até o Centro em veículo acima da idade permitida - Daniel Queiroz/ND
Ariane Rider veio até o Centro em veículo acima da idade permitida - Daniel Queiroz/ND


Um motorista do Consórcio Fênix, que prefere não ser identificado, confirmou que veículos “velhos” continuam rodando na Capital. “O grande problema é a manutenção, ou melhor, a falta dela. Reportamos pequenos problemas que demoram semanas para serem solucionados”, afirmou.

Durante a produção da matéria, a reportagem identificou modelos articulados fabricados em 2002 e que em 2018 não poderão circular. O mesmo acontece com os convencionais fabricados em 2007.

Sanção é multa de R$ 500 e retirada do veículo do sistema

O secretário de Transporte e Mobilidade Urbana, Marcelo Roberto da Silva, informou que os ônibus passam por vistoria anualmente. Segundo o edital de licitação, a concessionária precisa ter no mínimo 517 veículos. O secretário informou na quinta-feira (2) que a frota atual é de 474 ônibus. Em sua página na internet, o Consórcio Fênix informou no mês de julho que tem “aproximadamente 450 veículos no transporte convencional e 80 no executivo”.

Marcelo afirmou que ônibus convencionais fabricados em 2006 ou em anos anteriores estão irregulares no sistema. “A regulamentação prevê a idade máxima de dez anos para os convencionais e de 15 anos para os articulados. Quando um coletivo irregular é flagrado pela fiscalização a empresa recebe multa de 500 Ufir (R$ 500) e o veículo é retirado do sistema”, explicou.

O ônibus com placas MKU-2250 foi fabricado em 2006 e circulava em linha que passa pelo bairro Saco dos Limões - Daniel Queiroz/ND
O ônibus com placas MKU-2250 foi fabricado em 2006 e circulava em linha que passa pelo bairro Saco dos Limões - Daniel Queiroz/ND


Segundo o artigo 76, da lei 034/99, que rege o transporte coletivo de Florianópolis, a multa será aplicada com acréscimo de 20% para cada reincidência na mesma infração, ocorrida na mesma linha e no mesmo veículo, até o dobro do seu valor, dentro do período de três meses. O secretário informou que autorizou a compra de mais cem veículos.

“Por ser gestor do contrato, a autorização para a aquisição de novos veículos pela concessionária também passa pela autorização da secretaria. Eles já entregaram o documento com a intenção de adquirir mais cem ônibus, adaptados para deficientes, com o objetivo de aumentar a acessibilidade. Agora, a empresa vai atrás de financiamentos e, por isso, não há um prazo”, explicou.

O sistema tem em 8.000 partidas por dia útil em 186 linhas. Mensalmente são transportados mais de 5,4 milhões de passageiros e percorridos 3,2 milhões de quilômetros. Vale ressaltar que a prefeitura tem uma dívida de R$ 6,8 milhões com o consórcio, referente aos subsídios na tarifa de 2016.

Consórcio afirma que a idade da carroceria é a válida 

Por meio da assesssoria de impresa, o Consórcio Fênix informou que o contrato estabelece que a idade média dos ônibus seja de seis anos, o que obriga as empresas a renovar a frota continuamente. Disse ainda que a idade máxima é de 15 anos para todos os veículos - a idade da carroceria, sempre igual ou mais nova que a do chassi, é que é a considerada.

“Com a cuidadosa manutenção e com todos os selos de vistoria rigorosamente renovados com a prefeitura, conseguimos transportar passageiros com segurança em todo o sistema, sem qualquer risco”, diz a nota. O Consórcio Fênix informou também que fez pedido de financiamento para a compra de 100 novos ônibus há cerca de 60 dias junto à Caixa Econômica Federal, e aguarda a liberação do crédito para aquisição com as montadoras e encarroçadoras.

>> OS FLAGRANTES

Quarta-feira (2)

Veículo 4331, placas MDG-0203, fabricado em 2006, estacionado no aterro da baía Sul, da linha 631 – Capoeiras

Quinta-feira (3)

Veículo 44312, placas MBT-7756, fabricado em 2001, circulando na Via Expressa Sul, a linha 410 – Tirio/Ticen Direto

Veículo 5.110, placas MJF-4170, fabricado em 2006, parado e circulando na avenida Gustavo Richard, linha 460 – Porto da Lagoa

Veículo 0225, placas MKU-2250, fabricado em 2006, circulando pela avenida Gustavo Richard, linha Saco dos Limões

Publicidade

7 Comentários

Publicidade
Publicidade